Flávio Dino reclama de Bolsonaro, mas retirou R$ 8,4 milhões da UEMA

O governador Flávio Dino (PCdoB) tem utilizado o seu perfil em rede social para elevar críticas ao presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL) após o anúncio de contingenciamento na Educação.

Em uma publicação, Dino destacou as manifestações de estudantes, em todo o país.  “Hoje no Maranhão as comunidades universitárias e escolares se encontraram nas ruas com outras milhares de pessoas que acreditam na Educação. Democracia viva é a maior garantia de que o Brasil tem jeito”, disse.

Em 2017, contudo, Dino cancelou dotação orçamentária e retirou investimentos na Universidade Estadual do Maranhão (UEMA).

O corte foi de R$ 8,4 milhões da universidade estadual, em ato oficializado por meio de três decretos.

O primeiro decreto cancelou dotação de R$ 2 milhões que seriam aplicados na “Promoção de Eventos Científicos, Tecnológicos e Sócio-Culturais” e foram destinados à Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema).

Da administração da Uema o comunista retirou mais R$ 1 milhão, que foi destinado à construção de um prédio anexo do Tribunal de Contas do Estado do Maranhão (TCE-MA), em São Luís.

Logo em seguida, ele retirou R$ 5,4 milhões da “Formação de Profissionais de Nível Superior” e mandou os recursos para a Procuradoria-Geral de Justiça do Estado do Maranhão (PGJ-MA).

Esse Flávio Dino…

E a maternidade da Cidade Operária, Edivaldo Holanda Júnior?

Reeleito para um segundo mandato em outubro de 2016, quando derrotou o então deputado estadual Eduardo Braide (PMN) no segundo turno, o prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior (PDT), jamais cumpriu a promessa de entregar à população da Cidade Operária, uma maternidade.

A obra, que recebeu aporte milionário do Governo Federal, foi iniciada em 2014, mas jamais concluída. O local onde seria instalada a maternidade, situado próximo da feira [Mercado] do bairro, está abandonado.

Edivaldo prometeu, na campanha de 2012 e novamente reafirmou a promessa na campanha de 2016, concluir os serviços e dar maior dignidade às gestantes dos bairros Cidade Operária, Cidade Olímpica, Janaína, Vila Riod, Santa Clara, Santa Efigênia, Tropical, Maiobinha, Jardim América, Mata, Recanto dos Pássaros e outros adjacentes. Nada disso, contudo, ocorreu.

O projeto previa a construção de uma unidade com mais de 14 mil m², com 120 leitos – 100 leitos de internação e outros 20 de UTI -, 10 UTIs Neonatais e outras 10 UTIs Infantis e estrutura moderna para atender toda a região. ste blog torce para que a obra seja retomada ao ritmo regular o quanto antes e que a maternidade seja de fato construída. Até porque, como mostra a imagem ao fundo, apesar de ter sido iniciada há quase 2 anos, nenhuma parede, sequer, foi levantada.

Ontem, na comemoração de mais um Dia das Mães, a promessa ficou no esquecimento. E na falta de compromisso de um gestor que sonha em chegar ao Palácio dos Leões…

As movimentações de Weverton rumo a disputa para o Governo do Estado

As movimentações*

Como já vinha sendo falado nos bastidores, o presidente da Assembleia Legislativa, Othelino Neto (PCdoB), vai ter pela frente mais três anos e meio no comando da Casa. Além de mais um ano e meio do atual mandato, o comunista conseguiu mais dois em eleição consensual realizada ontem, em sessão extraordinária.

Apesar de Othelino falar que sua reeleição é fruto de união do parlamento, entendimento consensual entre os deputados e trabalho em prol do Maranhão, pesa na recondução do presidente da Assembleia uma disputa interna no grupo do governo Flávio Dino (PCdoB) que passa pelas eleições de 2020 (em São Luís, principalmente) e também pelo pleito de 2022.

E nessa disputa estão nomes como Neto Evangelista (DEM), Rubens Júnior (PCdoB), Osmar Filho (PDT), o próprio Othelino Neto e os espaços de poder em que cada um vem atuando e conquistando. Dos citados, todos fazem parte de um subgrupo governista: o de Weverton Rocha.

Do outro lado da disputa tem o vice-governador, Carlos Brandão (PRB), que já afirmou e reafirmou que disputará o Governo do Estado em 2022.

Pelos movimentos e articulações, por enquanto, o senador Weverton Rocha parece ter saído mais à frente. Assembleia, Câmara Municipal de São Luís, Prefeitura da capital e Famem são os espaços que o pedetista costurou e conquistou colocando seus aliados. Brandão, por enquanto, parece ter força no Palácio dos Leões e assim tenta ampliar para fora dos muros.

O fato é que 2020 será uma prévia do que deverá ocorrer dois anos depois.

*Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Duarte Júnior cada vez menor no cenário político…

A crise provocada na base governista da Assembleia Legislativa pelo deputado estadual Duarte Júnior (PCdoB), resultou numa derrota pessoal do comunista recém-chegado ao Parlamento.

A namorada do parlamentar e até então presidente do Procon-MA, Karen Barros, foi exonerada do posto e substituída pelo advogado Carlos Sérgio.

O anúncio foi feito pelo governador Flávio Dino (PCdoB) na sexta-feira, mesmo em dia em que a agenda oficial do Governo dava publicidade a uma reunião entre Dino e Karen no Palácio dos Leões.

Karen estava no posto desde a desincompatibilização de Duarte do cargo, em 2018, para a disputa das eleições ao Parlamento Estadual.

Duarte Júnior acumulava uma série de polêmicas junto aos colegas governistas e posicionava-se como o homem de confiança de Dino na Casa.

Foi acusado por colegas de plagiar projetos de lei e de se beneficiar do lançamento de uma lei [RG+], de autoria do deputado Zé Gentil e do qual ele figurava apenas como coautor; também criou problema à Mesa Diretora da Assembleia Legislativa ao tratar dos recursos públicos utilizados por ele durante a sua visita aos Estados Unidos ao lado de Karen e ganhou a antipatia de deputados governistas e de oposição no Parlamento.

Duarte não conseguiu identificar-se ainda como um deputado estadual. Parece não ter a noção exata do que é atuar num Parlamento.

Perdido, ele perdeu espaço e força política no Governo para disputar a eleição para a Prefeitura de São Luís em 2020.

Pior para ele…

 

 

E a educação?

O prefeito do município de Paço do Lumiar, Domingos Dutra (PCdoB), abandou todo o discurso que o havia levado para o comando do Executivo e agora tenta agir com imposição aos professores da rede municipal.

Dutra, que no discurso pregava o diálogo aberto, a valorização do servidor, a moralidade no serviço público e incentivo à educação, tem descartado qualquer disposição para o diálogo, para com os professores que estão em greve desde o mês de março.

Os docentes reivindicam o cumprimento da Lei do Piso; respeito à jornada de trabalho de 30 horas semanais; hora-aula de 50 minutos; reajuste salarial de 4,17% [Fundeb]; progressão salarial; calendário de pagamento anual e novo Estatuto do Educador.

E Dutra, por outro lado, tenta forçar “goela-abaixo” medidas que vão de encontro à dignidade dos educadores.

O resultado disso é um cenário alarmante e lamentável de milhares de crianças fora da sala de aula, de escolas com as suas atividades paralisadas e de um município sem conseguir cumprir com o que determina a Constituição no que diz respeito à garantia da educação. Inevitavelmente, os efeitos disso serão sentidos a curto, médio e longo prazo.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

O descaso de Domingos Dutra com a educação de Paço do Lumiar

O prefeito de Paço do Lumiar, Domingos Dutra (PCdoB), alvo de várias ações na Justiça, todas ingressadas pelo Ministério Público por irregularidades e atos de improbidade administrativa na gestão pública, tem agido com descaso para com a educação municipal.

Desde o início do ano, sem qualquer disposição para o diálogo que o seu grupo político tanto prega no discurso, ele tem travado uma disputa particular com os professores da rede municipal de ensino, que estão em greve.

A categoria reivindica o cumprimento da Lei do Piso; respeito à jornada de trabalho de 30 horas semanais; hora-aula de 50 minutos; reajuste salarial de 4,17% [Fundeb]; progressão salarial; calendário de pagamento anual e novo Estatuto do Educador.

São reivindicações de quem exige o mínimo de dignidade no serviço público.

Mas, para o prefeito, que não tem conseguido nem tapar os buracos das principais ruas e avenidas do município, trata-se de uma afronta a movimentação dos educadores.

Resultado: milhares de crianças fora da sala de aula por causa da irresponsabilidade da administração pública.

Esse é o Domingos Dutra que por anos se escondeu atrás de um discurso de embate contra a “Oligarquia Sarney”.

Não existe…

Propaganda enganosa?

Os últimos recentes fatos envolvendo a gestão da Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap) explicam o porquê de o governo Flávio Dino (PCdoB) estar gastando rios de dinheiro com propaganda do Porto do Itaqui.

É uma questão de lógica.

A publicidade do porto maranhense, feita no próprio Maranhão e, em alguns casos, na mídia nacional, não tem qualquer poder – ou tem poder mínimo – de chegar a quem deveria: investidores internacionais, mercados que podem se interessar em negociar com o Brasil a partir do Maranhão.

Qual o objetivo do Governo do Estado, então?

Parece óbvio: como não tem como explicar os recentes saques irregulares de recursos do Porto do Itaqui – alvo de denúncia à Procuradoria Geral da República (PGR) -, nem as fraudes apontadas pela Polícia Federal em contrato de dragagem de piers, da ordem de mais de R$ 60 milhões, a gestão comunista apela para a propaganda.

Paga caro para “vender” ao grande público um porto moderno, eficiente e que gera lucros exorbitantes. Lá, na propaganda, não precisa explicar que está fazendo retiradas legais desses lucros, nem que funcionários da Emap estão sendo acuados de fraude.

Mas isso tudo ainda precisará ser devidamente enfrentado nas esferas administrativa, policial e judicial.

É inevitável.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Dois anos após licitação Edivaldo não consegue assegurar melhorias no transporte público de São Luís

Terminal de passageiros do São Cristóvão

Depois de ter realizado uma licitação polêmica e entregue o sistema de transporte público da capital a empresas e consórcios, além de ter determinado aumentos seguidos da tarifa cobrada ao usuário de ônibus, o prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) não conseguiu efetivar as melhorias prometidas no primeiro mandato.

Ônibus velhos e sujos, terminais de integração depredados e precariedade nos serviços prestados são alguns dos problemas enfrentados diariamente por aquelas pessoas que precisam utilizar os ônibus do sistema de transporte público de São Luís.

Edivaldo prometeu GPS nas paradas e internet gratuita nos ônibus, durante a campanha à reeleição em 2016. Também prometeu melhorias na frota e cobrança às empresas.

Mas, o que se vê no momento é um prefeito rendido e submisso às concessionárias do setor.

Além de não garantir as melhorias prometidas, Edivaldo ainda penaliza a população com a cobrança elevada das passagens de ônibus. E os reajustes, segundo o próprio, são justos.

É completamente ineficiente o serviço prestado no setor do transporte público.

Mas, tudo bem, para o prefeito o que importa é a Feirinha…

Flávio Dino responsabiliza gestão passada por péssima condição de obras que ele mesmo realizou

O governador Flávio Dino (PCdoB) é de fato um ator. Já no exercício do segundo mandato e com obras de péssima qualidade em todo o Maranhão, a exemplo das rodovias MA-315 e MA-122, ele agora atribui à gestão passada a situação desastrosa das estradas.

Em seu perfil em rede social, ele disse que “herdou” uma malha viária antiga, sem manutenção adequada e sem drenagem.

Ele só não consegue explicar como é que obras inauguradas pela própria gestão comunista, como a MA-315, que liga a cidade de Barreirinhas a Paulino Neves já apresentam completa falta de infraestrutura.

A rodovia foi entregue há apenas 3 meses, mas está em péssima situação de trafegabilidade.

Não há sustentação, portanto, ao discurso do governador.

Que coisa…

Chuvas, transtornos e a incompetência de Edivaldo

As fortes chuvas que têm caído em São Luís nos últimos dias provocaram uma série de transtornos à população da capital.

Não há notícia de que um bairro sequer não tenha apresentado pelo menos um problema com o aumento do volume da chuva.

São avenidas alagadas, obras recém-construídas em flagrante falta de infraestrutura – sobretudo àquelas que dizem respeito ao novo traçado do trânsito na Forquilha e no Angelim -, vias esburacadas, áreas de risco em completo estado de abando, casas destruídas e pessoas desabrigadas.

E montado numa peça de marketing, Edivaldo aparece em programa de TV para dizer que “determinou” um força tarefa para resolver os problemas.

Balela.

Os problemas são crônicos e o prefeito sabe exatamente quais os pontos mais atingidos, ano após ano.

Mas, o que importa é a Feirinha.

Circo…