O diferencial de Marco D’Eça para as eleições 2020

Editorial

Jornalista, analista político e um crítico exímio das diferentes correntes políticas que disputam o Poder no Maranhão e no Brasil, Marco Aurélio D’Eça, dono de um dos blogs mais conceituados do estado, participará ativamente do processo de sucessão do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) e da renovação da Câmara Municipal de São Luís em 2020.

Com o peso de apoio político de dois senadores da República: Eliziane Gama (Cidadania) e Weverton Rocha (PDT), o jornalista se filiará ao Cidadania, antigo PPS, no dia 13 de julho, em evento na Assembleia Legislativa do Maranhão.

E para atuar no processo de sucessão do Executivo e do Legislativo, ele chega com um cacife gigantesco e um diferencial, características que poucos conseguem reunir.

Experiente na análise política, Marco consegue fazer uma leitura de cenário como ninguém e que sempre – não duvide -, tem rumo e desdobramento certeiros.

Bem articulado em todos os setores da política e da imprensa – como profissional exemplar que é ao longo dos seus mais de 20 anos de atuação -, ele também consegue ecoar a sua voz dos mais estudiosos aos mais carentes.

Arrojado, é também empreendedor, conhece a gestão na prática e lança desafios onde ninguém acredita ser possível: prova disso é o Sarará, no bairro Coroado, que reúne semanalmente consumidores, clientes de todos os níveis sociais com atendimento de excelência.

Ainda não há confirmação sobre se Marco atuará como candidato ou apenas articulador político na eleição de 2020.

A informação concreta é de que ele está no jogo. E o jogo sempre muda quando o tem.

Simples assim…

Postura de Jerry contra Moro é “nauseante”, diz O Antagonista

O deputado comunista Márcio Jerry apresentou requerimento à Comissão de Direitos Humanos para convocar Sergio Moro.

Ele disse:

“Os fatos revelados são de enorme e inédita gravidade na história do Judiciário e do Ministério Público, onde o ex-juiz Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol, passam da condição de julgadores e acusadores implacáveis à de suspeitos de terem utilizado ilegalmente os cargos com o objetivo de praticarem perseguição política.”

É nauseante.

Suspense

O juiz federal, Roberto Veloso, cotado para ser lançado como candidato à Prefeitura da capital maranhense pelo PSL, voltou a deixar a possibilidade no ar em entrevista na manhã de ontem, concedida no programa Ponto Final, da Rádio Mirante AM.

“Eu não descarto. Porém, é uma decisão que preciso tomar, que é a saída da magistratura”, disse.

O magistrado também frisou que a decisão sobre ser candidato ou não depende da família.

Encontros – O que o juiz não falou na entrevista é que vem se encontrando com membros de partidos políticos para discutir uma possível filiação e a garantia de espaços para que ele venha disputar a Prefeitura da capital.

Veloso já conversou com o PSL, MDB e até o Novo, do empresário João Amoêdo. O encontro entre o magistrado e o empresário ocorreu em São Luís, no início deste mês.

Então, além da família, o juiz tem buscado espaços políticos que contribuam para que ele viabilize uma eventual candidatura sua.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

CCJ acata PDL de Eliziane e derruba decreto que flexibiliza porte de armas

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado da República aprovou Projeto de Decreto Legislativo (PDL) de autoria da senadora Eliziane Gama (Cidadania) e tornou sem efeito um decreto do presidente da República Jair Bolsonaro que flexibiliza o porte de armas no Brasil.

A matéria de Gama foi apresentada ao colegiado no início do mês de maio e questionava o acesso ao porte de armas a várias categorias profissionais.

“A CCJ acatou minha proposta de decreto legislativo e derrubou o decreto das armas por inconstitucionalidade. Jamais um decreto presidencial poderia legislar sobre esse tema. O governo exorbitou de seu poder de regulamentar. Decisão sensata do colegiado”, afirmou a parlamentar em seu perfil, em rede social.

Além do PDL de Eliziane Gama, foram aprovados projetos dos senadores Fabiano Contarato, Humberto Costa (PT-PE), Jaques Wagner (PT-BA), Jean Paul Prates (PT-RN), Paulo Paim (PT-RS), Paulo Rocha (PT-PA), Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Rogério Carvalho e Zenaide Maia (Pros-RN).

Todos serão agora levados para apreciação do Plenário do Senado da República.

Flávio Dino nunca foi e nunca será Sergio Moro, escreve O Antagonista

Nunca, Dino, nunca

Flávio Dino bateu no peito e disse:

“Fui juiz federal por 12 anos e nunca: 1) mandei no Ministério Publico; 2) determinei que procuradora fosse fazer “treinamento”; 3) opinei sobre ação penal antes de ser ajuizada; 4) orientei procurador sobre como produzir provas; 5) mandei descumprir decisão de desembargador.”

Ele também nunca:

1) prendeu um ex-presidente; 2) desbaratou a maior quadrilha de todos os tempos, instalada no governo e no Congresso Nacional; 3) desmontou o cartel da Petrobras, que reunia as maiores empreiteiras do Brasil; 4) mandou para a cadeia as pessoas mais poderosas do país; 5) recuperou dezenas de bilhões de reais para o Tesouro Nacional.

Flávio Dino tem razão: ele nunca foi e nunca será um Sergio Moro.

Desempenho de Braide em pesquisa faz governistas recuarem na divulgação

O desempenho do deputado federal Eduardo Braide (PMN) em pesquisa de intenções de votos realizada no início deste mês e que teve os seus números disponíveis no início desta semana, provocou o recuo de pré-candidatos governistas.

No levantamento – do Instituto Interpreta -, Braide chega a 42% de intenções de votos, com baixo nível de rejeição e lidera com folga o cenário para a eleição de 2020 em São Luís.

Constrangidos e até temerosos em relação à repercussão do levantamento, aliados do Palácio dos Leões resolveram engavetar os dados, divulgados com exclusividade pelo jornalista Marco D’Eça.

Na pesquisa, o deputado estadual Wellington do Curso (PSDB) aparece na segunda colocação, com 10% da preferência do eleitorado. Ele também faz oposição ao Palácio.

Na terceira colocação e bem distante de Braide, aparece Duarte Júnior (PCdoB), com apenas 9% e em seguida outro pré-candidato governista, Neto Evangelista (DEM), com tímidos 7,5%.

Outros pré-candidatos governistas: Rubens Júnior (PCdoB) e Bira do Pindaré (PSB), apresentam índices abaixo de 1%.

Que coisa…

The Intercept: deputados divididos sobre vazamentos da Lava Jato

O vazamento de diálogos entre o ministro da Justiça e Segurança Pública, ex-juiz federal Sergio Moro, e o procurador da República Deltan Dallagnol, da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, dividiu deputados ouvidos por O Estado na Assembleia Legislativa na tarde de ontem (10).

Em discurso durante o expediente final da sessão de ontem, o petista Zé Inácio Lula – o nome do ex-presidente foi incluído na identificação oficial a pedido do parlamentar – defendeu que as revelações do site The Intercept confirmam a tese de que Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi perseguido pelo Judiciário para não ser candidato em 2018.

“O diálogo que veio a público entre Sérgio Moro e o procurador Dallagnol demonstra que muita coisa do que eu dizia aqui era verdadeiro, era correto, e que, de fato, o presidente Lula foi perseguido politicamente via Poder Judiciário, para condená-lo, depois condená-lo novamente em segunda instância e impedi-lo de participar do processo eleitoral. E aí não ser candidato nas últimas eleições de 2018”, declarou.

Já Arnaldo Melo (MDB), ex-presidente da Assembleia, deu destaque ao que considerou “ilegalidade” do ataque hacker que atingiu procuradores da Lava Jato e o ministro da Justiça. Segundo ele, há que avaliar o que foi divulgado na íntegra e o que pode ter sido descontextualizado.

“As coisas, quando entram por esse caminho da ilegalidade, das gravações clandestinas, tudo isso, a gente não sabe o que foi realmente contextualizado numa conversa e o que foi extraído do contexto daquela conversa”, pontou.

Ele ponderou que procuradores e juízes não devem ter contato sobre processos que não ocorram nos autos, mas acrescentou que, do material já vazado, não viu nada de errado no contato entre Moro e Dallagnol.

“A gente compreende que não pode o Ministério Público fazer esse tipo de referência com os julgadores. Isso é algo que a gente não aceita. Porém, nesse caso específico, pelo que eu li dos textos, não vejo nada que possa comprometer a decisão do à época juiz Sergio Moro nesse julgamento”, completou.

Com informações de O Estado

Justiça Eleitoral exclui Weverton de ação da “Farra dos Capelães”

O senador Weverton Rocha (PDT) está oficialmente fora da Ação de Investigação Eleitoral (Aije) protocolada no Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão (TRE-MA) por conta da chamada “farra de capelães”. A informação foi publicada pelo jornalista Gilberto Léda.

O TRE encerrou o julgamento de embargos de declaração do pedetista e confirmou por maioria a decisão que já havia sido formada no início da apreciação da causa.

Com isso, seguem como réus no processo apenas o governador Flávio Dino (PCdoB), o vice-governador, Carlos Brandão (PRB), e o secretário de Estado da Segurança Pública, Jefferson Portela.

Porto do Itaqui será vistoriado por Câmara, TCU e CGU

Um requerimento de autoria do deputado federal Edilázio Júnior (PSD) foi aprovado há pouco na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara Federal, e o Porto do Itaqui será alvo de uma vistoria técnica realizada por comitiva de parlamentares da Câmara dos Deputados, Tribunal de Contas da União (TCU) e Controladoria Geral da União (CGU).

O objetivo do requerimento de Edilázio é apurar e discutir as possíveis ilegalidades ou irregularidades no porto, administrado pela Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap), alvo de ação da Advocacia Geral da União (AGU).

O requerimento foi aprovado por unanimidade. Foram 12 votos favoráveis e nenhum contrário.

Na ocasião da apreciação o deputado comunista, Márcio Jerry (PCdoB) chegou a obstruir a votação, mesma estratégia utilizada na ocasião da apresentação da matéria.

Contudo, foi vencido pelos demais membros do colegiado.

Edilázio destacou a aprovação do requerimento, falou da importância da vistoria no Porto do Itaqui e lamentou a postura do aliado do governador Flávio Dino (PCdoB).

“Aprovamos o nosso requerimento de visita ao Porto do Itaqui apesar de o deputado Márcio Jerry ter baixo o nível, partir para ofensas pessoais e obstruir a votação junto a um outro deputado do PCdoB. Conseguimos vencer por 12 a zero. Também foi aprovada a participação dos órgãos fiscalizadores da União, o TCU e a CGU, na visita. Saímos vitoriosos”, disse.

Demissão de cobradores: o silêncio covarde de Edivaldo

Terminal de passageiros do São Cristóvão

O prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) tem se recolhido ao silêncio sobre o polêmico acordo entre o Sindicato das Empresas de Transporte (SET) e o Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário que deve resultar no fim da função de cobrador de ônibus no sistema de transporte público de São Luís.

O tema já provocou discussões na Câmara Municipal de São Luís, na Assembleia Legislativa, foi levada por parlamentares ao Ministério Público e até a Justiça do Trabalho.

Mas Edivaldo limita-se, por meio de sua assessoria, a afirmar que não vai comentar nada sobre o imbróglio.

É o retrato da inaptidão para o comando do Poder Executivo – apesar de ali ter sido colocado pelo povo -, falta de habilidade política e completa submissão ao sistema que comanda o transporte público há mais de 20 anos na capital.

Edivaldo, aliás, já pode ser considerado o prefeito que mais ‘beneficiou’ a categoria dos empresários nos últimos anos.

A licitação realizada por sua gestão garantiu ao setor mais 20 anos de concessão no transporte público. Empresas que já atuavam na capital vão passar de pai para filho, de geração a geração, graças à licitação de Edivaldo.

Ele também foi o responsável por aumentar o valor da passagem de ônibus [tarifa] repetidas vezes. A última, em fevereiro deste ano. Penalizou de forma dura o usuário.

Agora, em silêncio – como que num pacto sabe-se lá com quem -, sobre o acordo que deixará desempregados centenas de cobradores de ônibus, tenta se isentar da função que é sua, de cobrar respostas e impor ordem no transporte público.

Edivaldo é completamente incapaz de se posicionar como autoridade que lhe confere o cargo.

Uma decepção…