Três maranhenses atuam na CPI da Petrobras na Câmara Federal

Os três maranhenses na CPI da Petrobras

Os três maranhenses na CPI da Petrobras

Marco D’Eça – A Comissão Parlamentar de Inquérito do Congresso Nacional, que investigará denúncias de corrupção na Petrobras, terá a participação de três maranhenses, Eliziane Gama (PPS), Aluísio Mendes (PSDC) e Weverton Rocha (PDT).

Eliziane será a única mulher a formar na comissão.

Aluísio levará sua experiência e investigador policial e ex-secretário de Segurança.

O pedetista Weverton foi indicado como suplente pela liderança de seu partido, mas tem prerrogativas para atuar em alguns momentos das audiências e das diligências da comissão.

– Precisamos apurar tudo que tiver que ser apurado, mas também é importante lembrar que precisamos resgatar essa empresa brasileira que é a Petrobras, e passá-la a limpo será fundamental para que isso aconteça – assegurou Mendes, após ser confirmado pelo líder do bloco Renovação, deputado Celso Russomanno.

A CPI foi instalada ontem no Congresso, e já começou os seus trabalhos.

E deve ser uma das mais polêmicas comissões de todos os tempos, com forte interesse da mídia nacional…

Aluisio quer explicações do Ministério de Minas e Energia para a suspensão de refinaria

Deputado federal Aluisio Mendes

Deputado federal Aluisio Mendes

O deputado Aluisio Mendes apresentou na Câmara Federal um requerimento assinado por toda a bancada maranhense solicitando informações ao ministro das Minas e Energia sobre os motivos da suspensão dos projetos de implantação das refinarias Premium I e II pela Petrobras.

Um desses empreendimentos seria construído no município de Bacabeira e gerou grande expectativa nos maranhenses.

Em sua justificativa, Aluísio Mendes disse que as refinarias Premium I e II, que seriam construídas respectivamente nos estados do Maranhão e Ceará, estavam em fase inicial de planejamento e implantação, mas já haviam consumido R$ 2,7 bilhões dos cofres da Petrobras até a presente data.

“As duas refinarias começaram a ser planejadas em 2008, sob a justificativa de aproveitar as margens financeiras do refino, na época mais favoráveis. O projeto foi lançado em 2010 nas cidades de Bacabeira e Pacém, no Ceará, o que gerou uma expectativa muito grande entre os habitantes das duas regiões que seriam beneficiadas com o investimento”, disse o parlamentar maranhense.

Para Aluísio Mendes, é necessário que o Governo Federal explica os motivos dessa decisão tão prejudicial para os dois estados. “É preciso discutir essa questão e, a partir daí, buscar caminhos para reverter a decisão, de forma a tornar viável um investimento tão importante para a economia do nosso estado e para a geração de emprego e renda para os maranhenses”, finalizou ele.

A força política da família Serejo no município de Cajapió

Andrea Murad e o advogado João Bispo

Deputada eleita Andrea Murad e o advogado João Bispo Serejo

Depois de quase 50 dias de intensificação de campanha no município de Cajapió, a família Serejo pôde comemorar a votação expressiva e a eleição dos dois deputados apoiados no município.

Para a Assembleia Legislativa, foi eleita a deputada estadual Andrea Murad (PMDB). Já para a Câmara Federal, o ex-secretário de estado da Segurança Pública, Aluísio Mendes (PSDC).

Sem o apoio de qualquer prefeito ou ex-prefeito, tampouco de algum dos vereadores de Cajapió, os Serejo conseguiram alcançar 1 mil votos para o deputado federal eleito Aluísio Mendes e 710 votos para a deputada estadual Andrea Murad.

Para se ter ideia do desempenho dos candidatos

Aluísio Mendes ao lado da família Bispo Serejo

Aluísio Mendes ao lado da família Bispo Serejo

apoiados pela família Serejo, basta comparar a votação com a do deputado federal eleito Victor Mendes (PV), que mesmo apoiado por um ex-prefeito, uma vereadora e o segundo colocado na disputa para prefeito em 2012, conseguiu apenas 1.300 votos.

Portanto, vale ressaltar o empenho e o poder de articulação política do grupo liderado pelos ‘Serejo’, que além de disponibilizar um comitê central de campanha para Andrea e Aluísio, mobilizou milhares de pessoas em carreatas, caminhadas e comícios. O resultado de tudo isso foi uma vitória expressiva nas urnas.

Uma força política incontestável na região.

Andrea Murad e Aluísio Mendes avançam com campanha em Cajapió

Andrea Murad e Aluísio Mendes comandaram carreata no município de Cajapió

Andrea Murad e Aluísio Mendes comandaram carreata no município de Cajapió

A candidata a deputada estadual Andrea Murad (PMDB) e o candidato a deputado federal Aluísio Mendes, realizaram juntos no último fim de semana, o segundo ato da campanha de ambos, no município de Cajapió. Eles realizaram carreata gigantesca, que alterou a rotina da cidade.

Centenas de motociclistas se integraram à carreata

Centenas de motociclistas se integraram à carreata

No fim do mês passado, Andrea inaugurou com festa o seu comitê de campanha no município, num espaço cedido pela família Serejo, que apoia as duas candidaturas, e o senador Lobão Filho (PMDB) para o Governo do Estado, na região.

A carreata realizada no fim de semana reuniu milhares de pessoas em veículos de passeio e em motocicletas. Andrea e Aluisio Mendes buscam a consolidação de suas candidaturas em Cajapió.

Andrea Murad e o advogado João Bispo

Andrea Murad e o advogado João Bispo

Caso eleita, Andrea Murad vai atuar na Assembleia Legislativa por melhorias na saúde pública do estado. Ela é filha do secretário estadual da Saúde, Ricardo Murad (PMDB), que coordena o maior programa de saúde do país, o Saúde é Vida, do Governo do Estado, que já entregou para a população mais de 50 unidades de saúde em todo o Maranhão.

Já Aluísio Mendes promete investir na Câmara Federal, por melhorias na Segurança Pública do Maranhão. Ele afirma que trabalhará para garantir recursos, e as condições de melhor aparelhamento das polícias.

A recepção a Murad e a Mendes foi calorosa em Cajapió. Eles caminham para boa votação no município.

Cutrim precisava ter ouvido o que ouviu…

Raimundo Cutrim passou dos imites ao atacar Aluisio

Raimundo Cutrim passou dos imites ao atacar Aluisio Mendes na Assembleia

O deputado estadual Raimundo Cutrim (PCdoB), desde que teve seu nome citado no caso Décio Sá, tem insistido em ataques pessoais contra o secretário de Segurança Aluisio Mendes.

Foram inúmeras as vezes em que o comunista chamou o secretário de moleque, bandido e incompetente, além de outras expressões tão baixas, que me recuso a reproduzir. Aluisio, por outro lado, preferiu o silêncio durante todo esse tempo. Talvez seja melhor para os dois desta forma.

Mas ontem, após novos ataques de Cutrim contra o secretário, chegou a um ponto que a própria Assembleia Legislativa, até então distante da discussão, reagiu.

O primeiro a se manifestar foi Manoel Ribeiro (PTB), ao exigir do presidente da Casa, Arnaldo Melo (PMDB), que fossem retiradas dos anais da Casa as agressões do comunista contra Mendes.

Milhomem foi além e resolveu, de frente, confrontar Cutrim. Ele classificou a divergência pessoal de Cutrim e Aluisio como “briga suicida e maluca”.

“Não é assacando, não é insultando, diminuindo a autoridade constituída que nós vamos resolver o problema [da segurança pública no Maranhão]”.

Sem qualquer argumento que desse sustentação ao seu discurso, Cutrim recuou, mesmo que aparentemente inconformado com a reação dos colegas. Mas a verdade é que já estava na hora de alguém intervir, de mostrar ao comunista que ele havia passado dos limites. Afinal, a tribuna da Casa, como bem alertou Ribeiro, não pode continuar sendo utilizada para a exposição de divergências de ordem pessoal, ainda mais ao nível no qual estava ocorrendo.

Cutrim precisava ter ouvido isso, e ouviu…

Bandidos que assassinaram policial são apresentados pela SSP

Suspeitos de terem praticado atentados a postos da Polícia. Manoel Costa / TV Mirante

Suspeitos de terem praticado atentados a postos da Polícia. Manoel Costa / TV Mirante

Foram apresentados à imprensa os suspeitos de terem fuzilado um policial militar e atentado contra a vida de outros policiais no último fim de semana.

Iana Mara Silva Rodrigues; Quenilson Teixeira dos Santos, conhecido como “Lourinho”; Maílson Trindade Santos; Wesley Santos Correia; Felipe Amaral Mendes; Raílson Moraes Fernandes; Danrley Vítor Amorim Pereira; e Ricarde Moraes Fernandes; além de dois adolescentes goianos apreendidos foram apontados como os responsáveis pelos crimes. Um dos adolescentes confessou ter conduzido a caminhonete utilizada durante os ataques na Vila Nova, Bairro de Fátima e Turu.

“São todos suspeitos, com indícios muito fortes. Nós temos os carros usados nos ataques, nós temos as armas com calibres coincidentes com os usados nos ataques, nós temos os celulares com as mensagens de ordem dos ataques. Então, o conjunto de indícios é fortíssimo. Agora, as provas técnicas vão reafirmar isso”, afirmou o secretário Aloísio Mendes, que coordenou a operação policial.

É válido ressaltar, portanto, que apesar da audácia dos bandidos e da tentativa de desmoralizar o sistema de segurança pública, a polícia conseguiu reagir rápido, identificar e prender os criminosos. Ou seja, fez o que deveria ter feito, exatamente isso.fuzilaram 2

Hora de a polícia reagir

Ordem para matar policiais saiu de Complexo Penitenciário

Ordem para matar policiais saiu de Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís

O último fim de semana na capital foi marcado pela onda de violência e ataques a policiais militares em serviço. Um policial morreu e outro ficou baleado após ação de bandidos na Vila Nova, no Bairro de Fátima e no Turu.

Ontem o secretário de Segurança Aluisio Mendes, afirmou que a ordem para matar policiais saiu de dentro dos presídios do Complexo Penitenciário de Pedrinhas. Então é hora de a polícia reagir e mostrar aos bandidos quem é que manda.

Não se pode aceitar que criminosos debochem do Sistema de Segurança do estado e continuem amedrontando a população. Não se pode aceitar que o crime organizado domine a capital de dentro das celas de um presídio.

A polícia precisa ser enérgica e intolerante ao crime. Precisa responder com ações de desarticulação desses bandos. Mas precisa, antes de tudo, aniquilar a corrupção interna, caso contrário, a situação vai apenas piorar.

Raimundo Cutrim deixa reunião para falar mal de Aluisio Mendes

Raimundo Cutrim não teve coragem de falar mal de Aluisio em sua frente

Raimundo Cutrim não teve coragem de falar mal de Aluisio em sua frente

Gilberto Léda – O deputado estadual Raimundo Cutrim (PCdoB) protagonizou hoje (29) mais um lamentável capítulo da sua rixa com o secretário de Estado da Segurança Pública, Aluísio Mendes.

O titular da SSP foi à Assembleia Legislativa prestar esclarecimentos à Comissão de Segurança da Casa sobre a escalada da violência, sobretudo na capital.

Cutrim, que é membro da Comissão, esteve por lá. Sentou bem perto de Aluísio. Entrou mudo e saiu calado.

Mas foi só sair da sala das comissões e retornar para o plenário, de onde o secretário não poderia ouvir o que ele tinha a dizer, para Cutrim voltar a apontar sua metralhadora giratória verbal ao auxiliar da governadora Roseana Sarney (PMDB).

“Convoca-se um secretário, com todos os comandantes da Polícia Militar, com todos seus assessores, secretário de Segurança com todos seus assessores, o comandante do Corpo de Bombeiros com todos seus assessores, para assistir o secretário vir mentir cinicamente aqui na presença de todos e muitos ainda a bater palmas, isso é vergonhoso, senhor presidente”, disse.

Por que Vossa Excelência não disse isso na frente do secretário, deputado?

Não dá mais Aluisio…

Marco D’Eça – Todo o caos gerado na cidade desde a noite da última quarta-feira (09) é fruto, nada mais, nada menos que da incapacidade absoluta do Secretário de Estado de Segurança Pública, Aluísio Mendes, em dar respostas concretas à população.

Resultando também em uma grande braluisio mendesincadeira de telefone sem fio entre a população que está desesperada por informações concretas e seguras.

A culpa também é da incompetente polícia de Aluísio que construiu esse mito do “Bonde dos 40″, atribuindo a eles toda a culpa pelo pânico instalado na capital.

Aliás, a polícia também é culpada pela população ter que ficar trancada em casa, pois a PM não tem capacidade de conter uma ganguezinha de marginais, que a desafia, mostrando a eles sua falta de capacidade em conter um mísero grupo criminosos.

Devido a falta de informação e o desespero, boatos e mais boatos de arrastões pela cidade são espalhados e pessoas são aconselhadas a não irem para escola ou para o trabalho.

Uma estrutura completamente desorganizada e incompetente chamada Secretaria de Segurança Pública.

Raimundo Cutrim não é mais do PSD

Raimundo Cutrim não encontrou apoio à CPI

Raimundo Cutrim não encontrou apoio à CPI

O deputado estadual Raimundo Cutrim deixou o  Partido Social Democrático (PSD) no Maranhão. Ele protocolou ontem a sua saída da legenda, sob a justificativa de não ter conseguido apoio de correligionários à criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Agiotagem. O não conseguiu as 14 assinaturas necessárias para a criação do colegiado, em sua peregrinação nas cadeiras do plenário. O PSD tem seis membros e forma a maior bancada independente na Assembleia Legislativa.

Raimundo Cutrim tem tentado criar a CPI da Agiotagem, desde o momento em que seu nome foi vinculado ao assassinato do jornalista Décio Sá.  O secretária Aluisio Mendes chegou a afirmar que Cutrim tem envolvimento com os indiciados pelo crime, por isso a necessidade de investigação, que agora depende de parecer do TJ. O parlamentar goza de foro provilegiado.

“Desde o momento em que iniciei a discussão para criar a CPI na Assembleia não houve qualquer manifestação do partido. Não recebi apoio, por isso não tinha como eu continuar lá. Pedi para sair”, disse.

Cutrim chegou a cobrar publicamente um posicionamento do PSD em relação a ausência de assinaturas no requerimento da CPI. Também estava insatisfeito com a falta de defesa por parte do partido, naquilo que considerou ataque sistemático da mídia contra ele. “Como era eu o insatisfeito, acredito que tomei a decisão correta”, completou.

Integram o PSD no Legislativo, os deputados André Fufuca, Alexandre Almeida, Carlos Alberto Milhomem, Camilo Figueiredo e Dr. Pádua. Até a legislatura passada, o PSD integrava o Bloco Parlamentar pelo Maranhão [Blocão] na Assembleia.

Esvaziamento – Raimundo Cutrim é apenas o primeiro a deixar a legenda. Outro parlamentar que está de saída do PSD é Alexandre Almeida. Ele está insatisfeito com os rumos da legenda e com a falta de diálogo e projeto político partidário. Até a semana passada, por exemplo, o PSD não havia realizado nenhum seminário, plenária ou encontro regional, a exemplo de outros partidos que se mobilizam desde janeiro como o PMDB, PV, PSDB, PMN, PSL, PDT, PSB, PCdoB e PDT.

Almeida também é contrário a possibilidade de o secretário de estado da Fazenda, Cláudio Trinchão, assumir o partido, hoje dirigido por Tatá Milhomem.