Após discussão e vexame, Beto Castro e Honorato recuam

Os vereadores Honorato Fernandes (PT) e Beto Castro (PROS), se retrataram na sessão de ontem, após a forte discussão da semana passada, que resultou em troca de acusações e anúncio de investigação no Ministério Público, a um suposto esquema de venda de emendas no Legislativo Municipal.

Honorato pediu desculpas a todos os membros do Legislativo e à sociedade. “Tenho muito respeito por esta Casa. Nesta ainda curta trajetória política, sempre primei pelo tom de conciliação e busquei sempre a conversa amigável como meio de solucionar os problemas. Por isso me desculpo com todos os meus pares e também com a nossa população pelo incidente da última quarta-feira”, disse.

Honorato também rechaçou ter negociado emendas parlamentares a um instituto, como sugeriu Beto Castro na última quarta-feira.

“Todos aqui neste parlamento são sabedores de que esta emenda foi integralmente destinada para a realização do Carnaval de Passarela e de terça feira, através do Instituto Lógica. Sem a destinação desta emenda o mesmo não aconteceria. Esta destinação inclusive foi objeto de várias matérias no período carnavalesco. Nada foi feitos às escondidas e de forma ilegal”, explicou.

Logo em seguida, o vereador Beto Castro também se posicionou sobre o episódio. Ele criticou a abordagem do caso e pediu desculpas ao petista.

“O episódio que aconteceu aqui nesta Casa foi lamentável. Fiquei indignado pela forma com que alguns veículos de comunicação trataram o caso, que muitas das vezes usaram o fato para denegrir a minha imagem. Mesmo assim, peço desculpas ao vereador Honorato, a esta Casa e à população de minha querida cidade pelo ocorrido na última quarta-feira”, finalizou.

Pefeitura de Axixá pinta praça que deu origem a bate-boca

Gilberto Léda – Após um bate-boca entre a prefeita Roberta Berreto (PMDB) e duas moradoras, que ganhou repercussões gigantescas em todo o estado, a Prefeitura de Axixá iniciou ontem (15) a pintura da praça que deu origem à discussão (reveja acima o vídeo), no povoado Monte Alegre.praça

 Até o dia da confusão, na área ainda eram mantidas as cores que identificavam a ex-prefeita Sônia Campos (DEM), e Roberta Barreto queria negociar a mudança para a identidade visual da sua gestão. Os que se opunham à medida argumentavam que a praça e a igreja foram construídas em terreno particular.

 Em nota encaminhada à imprensa após o episódio, a Prefeitura informou que foi a comunidade quem solicitou a pintura do logradouro e que uma equipe “foi impedida por um grupo de cinco pessoas – de duas famílias – de executar aqueles serviços”. No comunicado, a assessoria da peemdebista diz que a reação dela foi uma forma de “preservar sua integridade moral”.

“Contrária a vandalismos, tumultos e xingamentos, a prefeita Roberta fez-se presente na reunião a fim resolver o problema sem qualquer tipo de confusão. No entanto, tão logo chegou a Monte Alegre, foi recebida pelas cinco pessoas com agressões verbais que a impeliram, minimamente, a preservar sua integridade moral”, diz a nota.

Leia a íntegra abaixo.

Nota de esclarecimento

A população do povoado Monte Alegre (Axixá) solicitou à prefeitura serviços de pintura, limpeza e iluminação para a referida localidade. A razão pela qual a demanda foi feita justificava-se pela realização do Festejo de São Raimundo no dia 19.10.2013.

Diante disso, a equipe da prefeitura dirigiu-se até o povoado, onde foi impedida por um grupo de cinco pessoas – de duas famílias – de executar aqueles serviços. Após quatro tentativas sem êxito, a equipe decidiu descontinuar qualquer trabalho em benefício da praça do povoado até que uma reunião com a gestora municipal acontecesse.

Contrária a vandalismos, tumultos e xingamentos, a prefeita Roberta fez-se presente na reunião a fim resolver o problema sem qualquer tipo de confusão. No entanto, tão logo chegou a Monte Alegre, foi recebida pelas cinco pessoas com agressões verbais que a impeliram, minimamente, a preservar sua integridade moral.

E assim o fez. Depois de se defender com palavras, Roberta determinou que fosse pintada a praça porque quis, como sempre, que prevalecesse a vontade do povo axixaense.