Eliziane é obrigada pela Justiça a conceder direito de resposta a Edivaldo

Direito de respostaO juiz eleitoral Reinaldo de Jesus Araújo, da 89ª Zona Eleitoral de São Luís, determinou  à candidata Eliziane Gama (PPS) a ceder direito de resposta para a coligação “Pra Seguir em Frente”, do candidato Edivaldo Holanda Júnior (PDT), no programa eleitoral gratuito na TV.

O direito de resposta foi veiculado no programa de hoje. Na decisão, o magistrado cita o argumento do impetrante, que alega que Eliziane Gama acabou incorrendo em propaganda eleitoral negativa contra Edivaldo, o que “denigre a imagem do candidato à reeleição a prefeito de São Luís”.

Na decisão liminar, o magistrado determinou que a coligação de Eliziane se abstenha, imediatamente, de veicular a propaganda impugnada, sob pena de multa diária de R$ 1 mil. Também determinou direito de resposta a Edivaldo no tempo de 1 minuto para veiculação na TV.

Castelo nega ter deixado rombo de R$ 1 bilhão para Edivaldo Júnior

casteloO Estado – O ex-prefeito de São Luís João castelo (PSDB) negou ontem, em Direito de Resposta encaminhado a O Estado, o atual prefeito da capital, Edivaldo Júnior (PDT), a respeito de um suposto rombo deixado nas contas do município em 2012. O Direito de Resposta será lido também na Sabatina O Estado, onde Edivaldo revelou ter encontrado um caos na Prefeitura, o que teria inviabilizado os primeiros três anos de sua gestão.

Castelo diz que o prefeito foi imprudente ao fazer tal afirmação, uma vez que os dados das contas da prefeitura são de conhecimento público.

“O prefeito deveria ser mais prudente em suas declarações e não se deixar levar pelo desespero. Os dados das contas da Prefeitura de São Luís são de conhecimento público. Qualquer pessoa pode consultá-los no site da Secretaria do Tesouro Nacional e no Portal Transparência Brasil e averiguar que ele não herdou nenhuma dívida de R$ 1 bilhão”, afirmou o ex-gestor, apontando fontes oficiais como prova.

Durante o programa Sabatina O Estado com os candidatos a prefeito, na semana passada, Edivaldo jogou a culpa da falta de ações nos três primeiros anos de sua gestão ao ex-prefeito do PSDB – de quem foi líder entre 2009 e 2010. “Nós tínhamos noção dos problemas, mas somente depois de assumir a prefeitura é que tivemos real idéia deles. Encontramos um caos, com folha de pagamento atrasada e dívidas”, afirmou Edivaldo Júnior.

Dívidas – Em sua resposta, castelo afirma que foi o próprio Edivaldo quem endividou o município. O ex-prefeito fala de “uma gastança desenfreada” na prefeitura, que resultou no aumento da dívida.

“A verdade é que no seu primeiro ano de mandato a gastança desenfreada aumentou a dívida da prefeitura em mais de 50%, alcançando assustadores R$ 1,3 bilhão. Dados que podem ser averiguados por todo cidadão”, disse Castelo.

O documento encaminhado a O Estado é a primeira resposta pública ao discurso de Edivaldo Júnior, que tem apontado o suposto caos na prefeitura como causa da queda na qualidade dos serviços prestados pela prefeitura. O ex-prefeito utilizou-se do direito para rebater o atual em plena campanha eleitoral.

Além da edição impressa de O Estado, o Direito de resposta de João castelo foi usado também na edição on-line e será apresentado durante a sabatina com a candidata do PSTU, Cláudia Durans, nesta segunda-feira, 15.

Blog se solidariza a Marco D’Eça

marco d'eçaEsse blog se solidariza ao amigo, colega de trabalho, pai de família e jornalista Marco D’Eça e sua família, alvo de ataques de César Bello e de um outro rapaz de quem nunca ouvi falar, mas que escreve em blog que nem merece ter nome citado. Aliás, não se tem notícia de que esse rapaz tenha frequentado qualquer academia de comunicação. Mas se tiver pelo menos iniciado, prova que já começou carreira profissional (se assim podemos afirmar) de maneira equivocada. Só lamento por ele e tantos outros que acabam enveredando por esse caminho.
Sem mais, segue o texto abaixo publicado por Marco…

Quem tem honra faz assim

Marco D’Eça – Foram concluídas as peças com as quais interpelarei cível e criminalmente os senhores Leandro Miranda, titular do blog apócrifo Marrapá, e César Bello, que edita o próprio, pelos crimes de calúnia, difamação, injúria e também por danos morais.

Nas conversas com os advogados, pedi apenas que a ação possa ter possibilidade de resultados imediatos – com medidas cautelares ou liminares – para que seja garantida a reposição imediata da verdade de quem tem a honra de pai de família amoroso, marido correto e profissional íntegro em mais de 20 anos de carreira.

Os dois agressores terão duas opções: provar as injúrias, calúnias e difamações que perpetraram covardemente contra mim – o que sei não ser possível, já que sabidamente falsas – ou se desmentir publicamente, revelando motivos e mandantes das agressões.

Por isso nas ações foram incluídos os pedidos de medidas cautelares e de liminares.

Peço desculpas aos meus leitores -apoiadores e críticos – por ainda não ter respondido às infâmias pessoais, profissionais e até familiares que venho sofrendo sistematicamente, há mais de dois meses, por estes dois covardes com os quais nunca mantive qualquer tipo de relação.

Aliás, um deles – o senhor Leandro Miranda – nunca vi na vida; duvidava até de sua existência, razão pela qual é difícil entender tanta agressão e covardia.

O silêncio periódico foi orientação dos advogados, até que se juntasse todas a documentação que desmentirá os agressores – na Justiça e perante o público.

Mas decidi falar agora por que as agressões extrapolaram todos os limites da canalhice, e começaram a atingir minha família – mãe e pai já em adiantada idade; esposa e filhas; irmãos, irmãs e primos – que acabam sofrendo constrangimentos e humilhações por causa da irresponsabilidade de covardes fracassados.

A família, que não convive na trincheira da política, não entende que as agressões têm apenas um motivo: me intimidar e calar as críticas que este blog fez, faz e continuará fazendo ao prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PTC) e ao seu tutor, Flávio Dino (PCdoB).

Em respeito à minha família e a você, leitor, garanto, peremptoriamente, serem falsas, covardes, absurdas e criminosas as acusações que me fazem, sem razão pessoal alguma – a menos que estejam movidos pela inveja – os senhores César Bello e Leandro Miranda.

Também em respeito a você, leitor, assumo compromisso público de, caso provada verdadeira qualquer uma das acusações –ainda que seja a mais insignificante –publicar aqui mesmo neste blog.

Mesmo por que, quem lê este blog sabe que nunca escondi que minha esposa atuava como assessora da Prefeitura de São Luís desde a primeira gestão de Tadeu Palácio (PP). E que decidiu, por si só, se desligar da referida função quando da vitória de Edivaldo Júnior (PTC), simplesmente por que não acreditava em sua capacidade de administrar São Luís.

E esta atitude digna ela tomou ainda em dezembro do ano passado.

Aliás, se fosse correto, o titular da Seconzinha, Márcio Jerry – um dos insufladores das agressões perpetradas –teria confirmado que ela pediu seu desligamento, por não acreditar na gestão que se iniciava. Nem ela, nem eu.

Aliás, em uma sexta-feira de janeiro, no extinto bar Rout 66, reiterei para que ele exonerasse minha mulher. Testemunhas: Weverton Rocha, Caio Hostílio, Rodrigo Costa, e o próprio Marcos Murad, proprietário da casa, entre outras pessoas não ligadas à política.

Chega a ser ridícula a acusação de que critico Holandinha por que ele demitiu minha mulher. Ora, o Maranhão inteiro sabe que me posicionei contra a candidatura do atual prefeito desde quando ela foi definida.

E como mostrado acima, a decisão da minha mulher era a de pedir pra sair se ele vencesse, como de fato ocorreu.

Esta história foi contada no blog – em posts ou comentários. E também compõe o escopo do processo por calúnia, injúria e difamação.

As demais acusações soam até absurdas, tanto quanto as perpetrações covardes contra o finado Décio Sá, logo após a sua morte. Me deram tantas assessorias, que, fossem reais, me tornariam um milionário, com a incrível renda de mais de R$ 200 mil por mês.

Aliás, ainda se fosse verdade, não consigo vislumbrar nenhum tipo de crime em prestar consultoria e assessoria para quem quiser. Inclusive os dois covardes, se tivessem credibilidade, teriam esta opção de trabalho.

Mas, submetidos que são, preferem dar verniz de crime a uma atividade perfeitamente lícita.

Em respeito a você leitor, afirmo com a dignidade de quem tem história no jornalismo maranhense – história absolutamente vitoriosa, diga-se: nunca recebi um tostão de nenhuma secretaria do governo municipal de São Luís, seja nesta ou em gestões anteriores; seja em folha oficial, suplementar ou mesmo por meio de fantasmas, como afirmam os agressores.

Aliás, desafio mais uma vez Márcio Jerry –insuflador das agressões contra este blog –a mostrar a lista de fantasmas que estariam sob meu comando. Se existisse, ele teria acesso e poderia fazê-lo.

Não faz por que não tem como fazer; por que sabe serem mentirosas as informações que fez plantar nos dois covardes.

Mesmo assim, estou encaminhando à Procuradoria-Geral do Município, pedido de declaração oficial se há qualquer tipo de funcionário SP ligado a mim – ou se existia entre os demitidos pelo prefeito Edivaldo Holanda, ainda que pelo laço mais tênue possível.

O documento da PGM também comporá a ação contra os dois covardes.

Minha renda mensal se compõe do meu salário no jornal O Estado do Maranhão, da assessoria que mantenho na Câmara Federal – e esta também publica – e dos anúncios deste blog. E tenho orgulho de dizer que são rendas acima da média-padrão do mercado maranhense, por que conquistadas ao longo de 20 anos de credibilidade.

São estas rendas, somadas às da minha mulher, uma profissional gabaritada na área da Educação e da construção civil, que me permitem viver com dignidade junto à família que escolhi.

Mas esta não é uma condição exclusiva minha.

Há muitos outros jornalistas no Maranhão, respeitados, com credibilidade audiência comprovada, que também têm um padrão de valor para os anúncios publicados em seus blos e para o serviço que prestam, como profissionais liberais que são.

Mas são jornalistas que se dedicam à profissão, e não aventureiros, que apenas veem no jornalismo uma forma de se dar bem.

Estes não duram muito tempo, como muitos que aparecem e desaparecem rotineiramente.

É por respeito a você leitor, pela minha dignidade profissional, que faço hoje este comunicado-desabafo.

Tenho convicção que, para aqueles que são da minha convivência, não preciso explicar nada; e para os que não são, não adianta explicação.

Mas a você leitor, faço questão de garantir: sou profissional crítico, polêmico, mas correto e leal. Tenho orgulho de estar onde estou por mérito pessoal, competência e reconhecimento profissional, atributos que certamente invejam os medíocres e fracassados.

E sou ainda mais orgulhoso de saber que minha família e meus leitores – apoiadores ou críticos – confiam em mim…