Caso Gondim vai mesmo à direção nacional do PT como adiantou blog

Zé Carlos é contra filiação de secretário de estado

Zé Carlos é contra filiação de secretário Fábio Gondim

A direção do Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores (PT) em são Luís recorreu à Secretaria Nacional de Organização do PT, em Brasília, da decisão da Executiva Estadual da sigla que vetou a filiação do secretário de estado de Gestão e Previdência, Fábio Gondim.

Exatamente como havia mostrado esse blog [reveja aqui], que ocorreria no caso.

Gondim teve a filiação negada pelo fato de ter entrado no partido no prazo final de filiação para aqueles que pretendem disputar a eleição 2014 e segundo o deputado Zé Carlos, sem seguir os trâmites do regimento da sigla, que determina que a filiação de figuras públicas somente devem ser feitas na executiva estadual e não em diretórios.

O caso agora está com a direção nacional do PT, que dará a palavra final sobre o ingresso ou não de Gondim.

Caso Gondim deve chegar à direção nacional do PT

Zé Carlos é contra filiação de secretário de estado

Zé Carlos é contra filiação de secretário de estado

A crise no PT com a entrada aos 48 do segundo tempo de Fábio Gondim na legenda, deve mesmo parar em Brasília. Isso porque o próprio Gondim e aliados do diretório municipal, não devem desistir do quase novo membro.

Fábio fez o pedido de filiação na semana passada, que foi aceito pelo diretório municipal do partido.

O problema é que a executiva estadual da sigla interveio e recusou a filiação do secretário de estado no Maranhão. O deputado estadual Zé Carlos, membro da executiva, explicou ao blog que dois fatores vão de encontro aos interesses de Gondim.

Primeiro: ele não teria se filiado dentro do prazo determinado pela Justiça Eleitoral – que é dia 5 de outubro. Segundo: de acordo com o regimento interno da legenda, filiação de pessoas públicas no PT só devem ocorrer na executiva estadual, e não em diretórios.

“De acordo com a legislação eleitoral, o Fábio Gondim deveria estar filiado no partido até o dia 5 de outubro, e filiação não é entregar uma ficha. No PT, a filiação de um membro público, como é o caso, dar-se-á na Executiva Estadual, o que ainda não aconteceu. Por isso, a Executiva Estadual decidiu anular todos os pedidos de filiações que não tenham sido homologadas pelo partido até o dia 5, conforme prevê seu regimento”, explicou Zé Carlos.

Gondim, no entanto, não desistirá da ideia de disputar eleição para a Câmara Federal em 2014. E ele conta com apoio de governistas, como é o caso do vice-governador Washington Luiz.

Nos bastidores, a informação é de que o secretário deve recorrer à instância nacional, que decidirá pela filiação ou não do novo membro. Mas, membros da Executiva, segundo Zé Carlos, não apostam na intervenção. “Esse tipo de coisa nunca ocorreu no PT. Não acredito que haverá uma intervenção da direção nacional do partido” disse.

Essa história está longe do fim…

Governo e professores fecham acordo sobre o Estatuto do Educador

Fábio Gondim e Júlio Pinheiro assinam documento

Fábio Gondim e Júlio Pinheiro assinam acordo

O secretário de Estado da Gestão e Previdência (Segep), Fábio Gondim, e o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Básica das Redes Públicas Estadual e Municipais do Maranhão (Sinproesemma), Júlio Pinheiro, assinaram na manhã de hoje o acordo judicial de criação do Estatuto do Magistério. Com isso, chega ao fim a greve da categoria e as aulas na rede estadual de ensino público serão retomadas na segunda-feira, dia 3 de junho. Nesta data a governadora Roseana Sarney (PMDB) entregará o documento à Assembleia Legislativa.

Foram 35 dias de negociação entre o Sinproesemma e representantes do Governo no Estado, para a criação do Estatuto do Magistério, período em que as escolas da rede estadual ficaram sem aulas. Os trabalhos foram conduzidos pela Segep e contou com o apoio de técnicos da Secretaria de Estado de Planejamento e Orçamento (Seplan). Na terça-feira, dia 28, a governadora Roseana Sarney, após analisar o texto do acordo, assinou a autorização para que ele fosse homologado.

Das negociações resultaram três projetos de lei que serão encaminhados para votação na Assembleia Legislativa. O primeiro projeto de lei diz respeito a criação da carreira de magistério, o segundo projeto de lei cria 4 cargos técnicos nas escolas e o terceiro estabelece uma gratificação de 30% para os funcionários da rede estadual de ensino que concluíram o Profuncionário, programa que visa a formação dos funcionários de escola, em efetivo exercício, em habilitação compatível com a atividade que exerce.

Os principais pontos acordados dizem respeito à gestão das escolas, às gratificações, descompressão da tabela salarial e às progressões. “O principal ganho foi o pagamento do passivo estadual com a categoria. São 28 mil progressões a partir de 2014. Já em agosto deste ano serão pagas as promoções e titulações. Além disso, conseguimos reposição salarial de 7,9% para os professores de primeira e segunda classe e 4% para os professores classe 3, retroativos a janeiro, que foi estabelecido como nossa data-base”, disse Júlio Pinheiro.

De acordo com Fábio Gondim, o acordo foi feito após análise criteriosa de todos os impactos financeiros do estatuto. “O governo não tem condições de atender todas as demandas, por isso estes dias de negociação foram importantes para decidirmos as prioridades. Todo o trabalho foi feito com representantes do sindicato. Discutimos ponto a ponto e chegamos a um acordo. Claro que outras demandas irão surgindo e esperamos negociar com a mesma tranquilidade”, afirmou.