Edilázio aponta fracasso de principais setores da gestão Flávio Dino

O deputado estadual Edilázio Júnior (PV) apontou uma série de falhas em alguns dos principais setores da administração Flávio Dino (PCdoB), em pronunciamento realizado hoje, na Assembleia Legislativa.

O discurso do deputado tomou por base a apresentação do governador no programa partidário do PCdoB, veiculado na última terça-feira em rede nacional.

“A única coisa válida nesse programa foi o cenário utilizado: o Centro Histórico, que apesar de abandonado e degradado, é de uma beleza extraordinária”, disse.

Edilázio afirmou que Dino explorou o folclore – também abandonado, segundo o parlamentar -, mas evitou fazer referência a setores como Educação, Saúde e Segurança Pública, que enfrentam graves problemas.

“Flávio Dino não falou do jeito comunista de administrar, perseguindo os seus adversários, perseguindo aquele que não reza a cartilha do comunismo. Não falou do dia de ontem mesmo, a prisão de um secretário adjunto que tomava conta das penitenciárias do estado, onde continuamente há fugas. Ele não citou a corrupção no Governo dele, da assessora que foi demitida pegando propina de índio. Ele não falou da forma comunista de usar, exacerbadamente, os aviões e os helicópteros públicos, ele que tanto falava mal”, disse.

O parlamentar citou a violência no estado. “O governador não falou da segurança pública, do programa “Mais Assalto”. Mês retrasado tivemos quase 80 assaltos a coletivos em nossa capital. Ele não falou das explosões de bancos, dia sim e dia não, em nosso estado. Ele não falou do sucateamento das nossas viaturas e não falou das mortes de militares que vêm ocorrendo como nunca houve em nenhum governo”, completou.

Edilázio também citou o sucateamento dos hospitais e das UPAs da rede estadual, do não pagamento do 13º salários de funcionários do setor enfatizou o aumento de ICMS no estado.

“Esse é o governo comunista. Ele foi garoto propaganda porque é o primeiro, único e espero que seja o último governador comunista do nosso País. Esse programa que passou ontem deveria ter sido veiculado no dia 1º de abril, que seria muito melhor para todos nós”, finalizou.

Edilázio vê fracasso de Dino e aliados em ações políticas em Paço do Lumiar

edilazioO primeiro secretário da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa, deputado estadual Edilázio Júnior (PV), apontou fracasso da agenda política do governador Flávio Dino (PCdoB) e aliados no município de Paço do Lumiar, no último fim de semana.

O parlamentar especificou dois principais eventos, onde houve a tentativa, por parte do grupo de Dino, de avançar politicamente no município.

No primeiro caso ele destacou evento organizado pela cúpula estadual do PDT. Ele afirmou ter recebido com estranheza a informação de que o prefeito de Paço do Lumiar, Josemar Sobreiro e o seu vice, Marconi, terem recebido o ex-ministro do Trabalho e presidente nacional do partido, Carlos Lupi, em São José de Ribamar, e não no município o qual administram.

“Para todos que foram e que leram, os jornais citavam que o Lupi ia em caravana junto do deputado Weverton Rocha para o município de Paço do Lumiar, mas não foi. O que chama atenção é de que             Sobreiro, antes de ser prefeito, realizava as suas reuniões políticas em sua escola na Avenida 7, no Maiobão. Mas, ele preferiu um local fechado em São José de Ribamar porque não está preparado para ter a sua popularidade testada em Paço, tamanho é o descaso que hoje os luminenses atravessam”, disse.

Edilázio também criticou o evento político do PCdoB, que contou com a presença do governador Flávio Dino, no município, e que serviu para lançar a pré-candidatura do ex-deputado federal Domingos Dutra.

“O evento foi um verdadeiro fiasco. Todos falaram que foi um fiasco. Se a popularidade do governador for do jeito que ele está, e ele for pedir voto Maranhão afora e for recebido com o ‘carinho’ que ele foi recebido em Paço do Lumiar, eu acho melhor ficar no Palácio descansando, do que ir rodar o estado”, ironizou.

Ele desqualificou a pré-candidatura de Domingos Dutra, chamado por ele de “futi”, termo que era utilizado pelo próprio comunista para referir-se a seus adversários.

“Dutra não tem projeto algum de governo, não tem o que falar. Ele mora, como diz, há 30 anos no Maiobão. Imagina, há 30 anos. Ele foi tantas vezes deputado estadual, deputado federal e vice-prefeito da capital, sempre influente, mas não tem uma obra sequer em Paço do Lumiar. […] A taca vai comer para cima do futi”, finalizou.

Tempos difíceis

Edivaldo Júnior é prefeito de São Luís

Edivaldo Júnior é prefeito de São Luís

É no mínimo preocupante o quadro que se desenha para este ano em São Luís. Em reportagem publicada domingo, O Estado mostra que a gestão de Edivaldo Holanda Júnior gastou mais do que arrecadou em 2014 e reduziu em 30% os investimentos previstos para o ano passado.

O que esperar para 2015, tendo em vista que as chuvas agravam a precariedade na infraestrutura da capital e, consequentemente, prejudicam ainda mais a mobilidade urbana?

Já no terceiro ano de gestão, Edivaldo Holanda Júnior, que adotou o slogan “Avança São Luís”, não conseguiu avançar em nenhuma das áreas prioritárias. Mesmo tendo investido mais que o mínimo obrigatório em saúde e educação, o Município ainda enfrenta graves problemas nesses setores, como atraso no pagamento de médicos e falta de material nos Socorrões, além de funcionamento de escolas em prédios inadequados.

Se em áreas que receberam volume maior de recursos a situação é caótica, o que esperar para a mobilidade urbana e a infraestrutura viária?

Será que este ano ruas e avenidas que estão intrafegáveis vão merecer alguma intervenção da administração do prefeito, que já tornou público por diversas vezes que está à espera de um socorro, do Governo do Estado ou da União? E a gestão financeira, será capaz de aumentar a arrecadação, reduzir os gastos ou obter financiamento para viabilizar os investimentos, que são emergenciais?

Tempos difíceis para São Luís, pois a gestão municipal não demonstra capacidade para superar as dificuldades, nem a curto nem a médio prazo.

Da coluna Estado Maior

Lançamento de candidatura de Castelo foi maior que convenção do PSDB

Castelo mobilizou quase mil pessoas em auditório para lançar candidatura

Castelo mobilizou quase mil pessoas em auditório para lançar candidatura

O ex-prefeito de São Luís, João Castelo (PSDB) e lançou ontem no Hotel Luzeiros, na capital, a sua candidatura a deputado federal para as eleições 2014. A candidatura à reeleição da deputada estadual Gardênia Castelo (PSDB), também foi lançada durante o evento.

O ato político contou com a presença de vereadores, ex-vereadores, lideranças políticas e comunitárias de todas as regiões do estado, além de parte da militância e da juventude do PSDB.

Espaço ficou tomado de militantes e da juventude do PSDB

Espaço ficou tomado de militantes e da juventude do PSDB

Com cerca de 750 pessoas no auditório, o lançamento das candidaturas de Castelo e de Gardênia, sem dúvida, foi maior do que a fracassada convenção do PSDB realizada em Imperatriz pelo prefeito Sebastião Madeira, e que contou com a articulação – se assim pode ser definida -, do deputado federal e candidato a vice-governador na chapa de Flávio Dino (PCdoB), Carlos Brandão.

A mobilização em torno de candidatura de Castelo e o vazio que

Mais uma prova de quem de fato tem voto no PSDB

Mais uma prova de quem de fato tem voto no PSDB

hoje envolve Madeira e Brandão, mostra exatamente quem é quem dentro da sigla, que poderá sair menor do que entrou nas eleições 2014.

O PSDB vetou a candidatura de Castelo ao Senado da República e fechou de forma traumática aliança com o PCdoB de Dino. Sem o apoio da militância, o partido segue apenas como mais um, na coligação que também integra o descontente PDT e o PSB, de Roberto Rocha, que conseguiu manter candidatura após ameaçar em várias oportunidades romper com o comunista e lançar candidatura própria ao Governo do Estado.

Magoado, Castelo assiste a tudo em sua volta com um largo sorriso no rosto…

Convenção do PSDB em Imperatriz, sem a presença de Castelo, fracassou em junho

Convenção do PSDB em Imperatriz, sem a presença de Castelo, fracassou em junho