Desafio para Jota Pinto…

Quem participou ou assistiu a solenidade de posse dos vereadores e a recondução do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) ao comando do Poder Executivo de São Luís, percebeu que não é das melhores, a relação entre o presidente reeleito Astro de Ogum (PR) e o pedetista.

Com um discurso duro e direto, Astro denunciou abandono da Zona Rural, criticou a falta de investimentos na cadeia produtiva da capital e cobrou por parte da Prefeitura, respeito à independência do Legislativo Municipal.

Ogum afirmou que a Câmara não será subserviente ao prefeito e disse, em entrevista a O Estado, que “muita coisa” precisa mudar na relação entre os poderes.

Já Edivaldo no seu discurso de posse – sem, contudo, se direcionar a Astro de Ogum -, rebateu as críticas e elencou uma série de investimentos na Zona Rural e na produção do município.

O prefeito não conseguiu disfarçar o incômodo com o posicionamento de Astro. O vereador, por sua vez, demonstrou-se seguro no seu discurso e com cara de “poucos amigos”.

Não é necessário que se faça qualquer esforço para compreender que o clima é de “racha” na base do prefeito na Câmara, tanto que ele sequer ousou tentar impedir a reeleição de Astro de Ogum. Astro lidera um grupo, que apesar de governista, exige um tratamento diferenciado por parte do Executivo.

E caberá a Jota Pinto, agora na Articulação Política, tentar amenizar a turbulência.

Haja trabalho…

 

Jota Pinto confirma pré-candidatura em São José de Ribamar

jotapinto1O presidente estadual do PEN no Maranhão, o ex-deputado estadual Jota Pinto, confirmou na manhã desta sexta-feira (12), na sede do partido, que a legenda terá pré-candidatos à Prefeitura de três dos quatro municípios da Ilha de São Luís.

Além do próprio Jota Pinto, que será pré-candidato em São José de Ribamar, o PEN terá Moreira como pré-candidato em Raposa e Maninho como pré-candidato em Paço do Lumiar.

“Teremos três pré-candidaturas em três dos quatro municípios da grande Ilha de São Luís. Em São José de Ribamar eu fui convidado por muitos eleitores e por correligionários políticos para participar do pleito, afinal nas duas últimas eleições fui o segundo candidato a deputado mais votado na cidade. Fiquei lisonjeado com o convite e resolvi aceitar o desafio”, afirmou Jota Pinto.

O lançamento oficial da candidatura de Jota Pinto acontecerá num grande encontro do PEN que será realizado em São José de Ribamar, no dia 09 de abril e com a presença da cúpula nacional do partido, inclusive com a presença do presidente Adilson Barroso.
Apesar de só oficializar sua pré-candidatura em abril, Jota Pinto já antecipou como pretende fazer o seu plano de governo.

“Já definimos que iremos realizar 25 encontros em São José de Ribamar com a população. A ideia é ouvir o povo, saber os anseios de cada comunidade para que possamos juntos elaborar um plano de governo que atenda a todos os moradores de São José de Ribamar”, declarou.

Jota Pinto ainda assegurou que a meta do PEN é inaugurar nos próximos meses, 51 diretórios distritais na Ilha de São Luís. O número de diretórios corresponde ao número do partido.

Vale lembrar que essa é a primeira eleição municipal do PEN, mas apesar disso, o partido deverá ter candidatura própria a prefeito em cerca de 80 municípios maranhenses. Além disso, na primeira eleição do PEN, no ano de 2014, o partido surpreendeu no Maranhão, afinal conseguiu eleger dois deputados federais – André Fufuca e Júnior Marreca – e um estadual – Ricardo Rios.
Pelo visto o PEN, apesar de iniciante, vai sonhando alto no Maranhão.

A Assembleia e os “infiéis”

Jota Pinto alinhado ao grupo de Flávio Dino

Jota Pinto alinhado ao grupo de Flávio Dino

Uma cena curiosa chamou a atenção de deputados governistas na sessão da última terça-feira, na Assembleia Legislativa, quando ainda se discutia o destrancamento da pauta de votações, o que somente ocorreu ontem.

Quando foi iniciada a Ordem do Dia, a oposição deixou o plenário para obstruir a votação, mas não foi sozinha. Alguns governistas alinhados ao projeto do governador eleito Flávio Dino (PCdoB), a exemplo do deputado Jota Pinto (PEN), sob a orientação de Marcelo Tavares (PSB), fugiram da votação.

Jota Pinto, presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), que busca alguma benesse no governo comunista, também optou por não votar na comissão, o Projeto de Lei 208/2014, de autoria de Alexandre Almeida (PTN), que trata da eleição indireta para governador.

Jota foi um dos deputados considerados “infiéis” por Tatá Milhomem (PSD), que antes mesmo de finalizada a atual legislatura, já dá clara demonstração de que está mesmo é do outro lado.

E nada justifica a postura de políticos deste nível. Em busca de perpetuação no poder, Jota e os demais que o seguem, apenas provam que não são de grupo, não possuem autenticidade, não dispõem de posicionamento político-ideológico [seria exigir demais], e mais se aproximam do oportunismo.

Pior para ele e os demais “infiéis”, até porque o próprio Flávio Dino já demonstrou que não abrirá espaço para nenhum “vira-folha” do grupo Sarney. Exemplo claro disso é o isolamento melancólico do deputado Raimundo Cutrim (PCdoB) na oposição, que por muito tempo serviu o grupo adversário e hoje é apenas mais um dentre os aliados do futuro chefe do Executivo.

Jota Pinto: fez tudo certo, mas não foi reeleito

Jota Pinto não foi reeleito

Jota Pinto não foi reeleito

Incrível. O deputado Jota Pinto vai entrar para a crônica das eleições como o político que fez tudo certo, mas ficou na estrada, sem alcançar a reeleição. Ele fundou o PEN no Maranhão, fortaleceu-o com nomes de expressão para a corrida eleitoral e foi para as urnas com a certeza de que sairia reeleito. Ficou na entrada como suplente, mesmo tendo recebido 37.638 votos, votação maior do que a de 21 deputados eleitos.

Da coluna Estado Maior, com edição do blog

Jota Pinto com dificuldades na CCJ

Jota Pinto precisou de intervenção de Arnaldo Melo

Jota Pinto precisou de intervenção de Arnaldo Melo

Demonstrou fraqueza e falta de pulso na manutenção de sua decisão, o deputado estadual Jota Pinto (PEN), presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).

Pinto havia pedido vista na sessão e ontem, do projeto de lei de autoria de Edilázio Júnior (PV), que regulamenta a eleição indireta para governador e vice-governador do Estado do Maranhão em caso de vacância dos cargos nos últimos dois anos de mandato.

O projeto foi apresentado ao plenário justamente pelo fato de haver uma expectativa no meio político da saída da governadora Roseana Sarney (PMDB) do cargo para a disputa do Senado Federal. Uma emenda do deputado Marcos Caldas (PRP) provoca polêmica e divergência na base governista [releia aqui]. A menda tenta dar maior transparência ao projeto e o blog entende que esta a mesma deve ser aprovada.

Ocorre que o pedido de vista de Pinto foi novamente estendido hoje para mais 24 horas, sob a justificativa de que a CCJ ainda não havia decidido sobre a rejeição ou não de uma emenda de Marcos Caldas.

Caldas e Alexandre Almeida (PTN) confrontaram Jota Pinto, e exigiam que ele colocasse a emenda para votação na comissão. Acuado, Pinto ainda tentou reagir, mas se limitou a ler o regimento interno da Casa na defesa de sua tese e foi voto vencido dentro da comissão.

Foi necessário então que o presidente da Casa, Arnaldo Melo (PMDB), se levantasse de sua cadeira, na Mesa Diretora, e se dirigisse à Jota Pinto para garantir a prerrogativa do presidente da CCJ em estender o pedido de vista.

Arnaldo repreendeu Caldas e manteve a decisão do presidente da CCJ, que àquela altura, já não apresentava mais poder de reação.

Foi desta forma que ficou adiada para amanhã a votação do projeto de lei que regulamenta a eleição indireta na Casa para o cargo de governador.

A impressão que ficou é a de que Jota Pinto terá muitos problemas para conduzir os trabalhos na CCJ. E muito disso por falta de pulso…

Jota Pinto antecipa retorno à Assembleia após crise com Priscylla Sá

Jota Pinto em crise com Priscylla Sá

Jota Pinto em crise com a colega Priscylla Sá

O deputado estadual Jota Pinto (PEN), que havia se licenciado para tratamento de saúde, retornou hoje a Assembleia Legislativa e assumiu cadeira que estava sendo ocupada interinamente pela suplente Priscylla Sá (PEN).

Ocorre que Jota antecipou o seu retorno à Casa [que ocorreria somente em 2014], justamente por conta de uma crise com a colega de partido.

Segundo fonte do blog, Priscylla se recusou a encaminhar à Comissão de Orçamento da Casa, as emendas parlamentares de Jota. Irritado, o parlamentar acionou a Mesa Diretora e resolveu retornar de imediato para a Assembleia.

Priscylla Sá já havia se envolvido em outra polêmica há duas semanas, quando atingiu o Governo do Estado com acusação de uso politiqueiro de convênios, somente pelo fato de não ter sido convidada para uma solenidade de assinatura de convênio no município de Presidente Dutra, base eleitoral da parlamentar.

Priscylla Sá naquela ocasião, já provocava indisposição com a base do governo. Agora, com a movimentação de bastidores contra Jota, sepultou novamente o mandato suplente, que durou pouco mais de um mês.

 Nota: Jota Pinto afirmou ao blog que antecipou o seu retorno para a Assembleia porque somente poderia indicar emendas no posto de deputado. Ele nega crise com a colega de partido.