Edilázio assume a direção estadual do PSD no Maranhão

O deputado federal Edilázio Júnior assumiu a direção estadual do Partido Social Democrático (PSD) no Maranhão.

O nome do parlamentar como presidente da legenda já consta no registro de informação de dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Ele assume o posto para conduzir a sigla nas eleições municipais 2020 no estado, após alcançar o status de um dos principais parlamentares do partido no Congresso Nacional.

Edilázio é membro titular da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara Federal.

Ele foi conduzido ao comando da legenda pelo presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab. “Uma data que ficará marcada na minha trajetória. Tomei posse como presidente do PSD no Maranhão, homologado pelo presidente nacional do partido, Gilberto Kassab. Fico honrado por exercer tamanha função, a frente do meu partido que hoje é a quarta maior bancada da Câmara e a segunda maior do Senado. A responsabilidade vai ser grande e através do diálogo e da luta vamos alcançar nossos objetivos e fortalecer ainda mais o PSD”, disse.

Ele prometeu protagonismo da sigla nas eleições 2020 nas maiores cidades do Maranhão e agradeceu o trabalho de Cláudio Trinchão no comando da legenda. “Ele fez um excelente trabalho à frente do partido e merece todo reconhecimento”, disse.

A Executiva Estadual do PSD no Maranhão é composta ainda pelo primeiro vice-presidente, empresário Clóvis Fecury e pelo segundo vice-presidente, Ulisses Waquim, filho da ex-prefeita do município de Timon, Socorro Waquim.

Suspense

O juiz federal, Roberto Veloso, cotado para ser lançado como candidato à Prefeitura da capital maranhense pelo PSL, voltou a deixar a possibilidade no ar em entrevista na manhã de ontem, concedida no programa Ponto Final, da Rádio Mirante AM.

“Eu não descarto. Porém, é uma decisão que preciso tomar, que é a saída da magistratura”, disse.

O magistrado também frisou que a decisão sobre ser candidato ou não depende da família.

Encontros – O que o juiz não falou na entrevista é que vem se encontrando com membros de partidos políticos para discutir uma possível filiação e a garantia de espaços para que ele venha disputar a Prefeitura da capital.

Veloso já conversou com o PSL, MDB e até o Novo, do empresário João Amoêdo. O encontro entre o magistrado e o empresário ocorreu em São Luís, no início deste mês.

Então, além da família, o juiz tem buscado espaços políticos que contribuam para que ele viabilize uma eventual candidatura sua.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Max Barros deixará o PRP

O deputado estadual Max Barros já informou a aliados e agentes políticos que deixará os quadros do PRP.

A saída foi divulgada em primeira mão pelo jornalista Gilberto Léda. Max ainda não decidiu para qual partido deverá seguir.

Candidato à reeleição para o Legislativo Estadual, o deputado tem até o mês de abril, de 2018, para se filiar a uma nova sigla.

Em tempo: a saída de Max do PRP coincide com a filiação de Ricardo Murad na legenda. Murad deve disputar a eleição 2018.

Eleições 2018: lideranças políticas já articulam troca de partido no MA

Trocas partidárias

Os pretendentes a deputado estadual e federal já iniciaram movimentos para definir seus rumos partidários. Na Assembleia Legislativa pelo menos três parlamentares já falam em trocar de legenda: Bira do Pindaré, Rogério Cafeteira e o presidente da Casa, Humberto Coutinho.

Os dois primeiros deverão sair do PSB, partido atualmente comandado no estado pelo senador Roberto Rocha. O destino de Rogério Cafeteira, que é líder do governo Flávio Dino na Assembleia, deve ser o PDT. Segundo ele, é o mais provável devido à afinidade que ele tem com a legenda que cresceu durante o segundo turno da eleição para prefeito de São Luís.

Já Bira do Pindaré quer deixar o PSB porque não há mais clima para que ele continue na legenda após as articulações de Roberto Rocha que levaram à tentativa frustrada do deputado, que queria ser candidato a prefeito da capital.

O caminho de Bira deve ser o PCdoB. No entanto, isso não está decidido, já que ele quer se candidatar a deputado federal e quadros da sigla como o deputado Rubens Pereira Júnior seriam um entrave. Esse obstáculo pode ser resolvido pelos comunistas, considerando-se que nomes da cúpula do partido andam pedindo a saída de Rubens Júnior da sigla.

O deputado federal Weverton Rocha, que comanda o PDT, e que deverá ser candidato a senador, já fez o convite com a garantia de dá espaço necessário para Bira do Pindaré buscar uma vaga na Câmara Federal. Então, a saída de Bira do PSB já é dada como certa. Falta definir só o destino.

No caso de Rogério Cafeteira, ele prefere aguardar mais um pouco para saber como caminhará o PSB. O líder de Flávio Dino na Assembleia espera que o partido caminhe em 2018 com Dino assim como ocorreu em 2014. Mas isso somente ocorrerá se Roberto Rocha deixar o partido ou se perder força entre os socialistas.

E o presidente Humberto Coutinho já decidiu que trocará mesmo de partido. Ele deixará o PDT e o seu novo partido deverá ser o PP. Coutinho quer ser candidato a senador e no PDT esse é um sonho distante, pois o partido já tem um candidato a senador que tem total controle da legenda.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Bira do Pindaré pede a inclusão de seu nome na pauta da convenção do PSB

Bira documentoO deputado estadual Bira do Pindaré, pré-candidato a prefeito de São Luís pelo PSB, protocolou hoje requerimento junto à Comissão Provisória do partido na capital, com pedido para que o seu nome seja incluído na pauta de votações da convenção municipal da sigla.

O evento, que definirá se o partido terá ou não candidatura própria no pleito deste ano, ocorrerá no dia 5 de agosto na Câmara Municipal de São Luís.

“Hoje (26), informei de maneira oficial, por meio de requerimento junto à Comissão provisória, a nossa pré-candidatura a prefeito de São Luís e solicitei a inclusão do nosso nome na pauta de votação. Pedi também informações sobre os procedimentos que serão adotados pelo dispositivo no dia da Convenção, como, por exemplo, os horários para início e termino do credenciamento e da votação, além dos nomes dos responsáveis pelo credenciamento e formação da Comissão para apuração dos votos”, disse.

Bira, que trava uma batalha dentro da sigla com o senador Roberto Rocha, afirmou que não desistirá do projeto de candidatura própria.

“Reafirmo meu sentimento de gratidão à militância do PSB no Maranhão que não se vende e não se rende. Desde o início, quando me convidaram para ser candidato e eu aceitei, defendem nossa candidatura e estão nessa luta em defesa do fortalecimento do nosso partido e da democracia, mas, sobretudo, em defesa da população da cidade de São Luís do Maranhão, que merece esse debate. Vamos para a Convenção com o mesmo amor no coração e a mesma bravura de sempre”, finalizou.

Pré-candidatos a prefeito de São Luís têm até sexta-feira para trocar de partido

ElizianePré-candidatos a prefeito de São Luís só têm até a próxima sexta-feira para efetuar a troca de partido político, sem que haja o risco de perda de mandato eletivo.

Isso porque no dia 18 de fevereiro deste ano, o Congresso Nacional promulgou emenda à Constituição (PEC) que fixava janela para que todo detentor de mandato pudesse se desfiliar de partidos sem perder o mandato por infidelidade partidária.

Na capital, as atenções se voltam principalmente para a deputada federal Eliziane Gama, hoje no Rede, para o deputado estadual Bira do Pindaré, no PSB e para o deputado federal, João Castelo, do PSDB.

BiraGama tem convite para filiar-se ao PSB. Migrando para o partido, ela conseguiria neutralizar e inviabilizar a pré-candidatura de Bira do Pindaré pela sigla. Apesar disso, há resistência ao seu nome na legenda. Esta resistência é capitaneada por Marcelo Tavares, secretário-chefe da Casa Civil e por Luciano Leitoa, presidente do PSB e prefeito da cidade de Timon.

Bira do Pindaré, por sua vez, tem convite para filiar-se ao PT, sigla pela qual iniciou a sua trajetória política. Ele, contudo, tenta se manter no PSB, onde também teria como vantagem a estrutura partidária.

Castelo enfrenta tem como adversário dentro do PSDB, Neto Evangelista

Castelo enfrenta tem como adversário dentro do PSDB, Neto Evangelista

Já o deputado federal João Castelo, analisa a possiblidade de ingressar em outra legenda, diante da dificuldade imposta pelo comando do PSDB, à sua candidatura. Castelo não se relaciona com o vice-governador Carlos Brandão, presidente estadual do partido, e enfrenta, agora, a pré-candidatura do também tucano, Neto Evangelista.

A saída do PSDB, portanto, não está descartada.

O prazo, no entanto, que cada um dos pré-candidatos dispõe no momento, é a sexta-feira. Depois disso, não haverá mais o que fazer…

Destinos na reta final

perguntaO fim do prazo para que os interessados nas eleições de 2016 possam trocar de partido termina na próxima sexta-feira, 2. E a movimentação ontem aumentou fortemente nos bastidores partidários, sobretudo na capital maranhense. E o troca-troca deve atingir não apenas pré-candidatos, mas também lideranças políticas interessadas no reposicionamento partidário.

Entre os candidatos, é quase certo que buscarão novos partidos o ex-secretário Ricardo Murad – que deve trocar o PMDB pelo PTN – e a vereadora Rose Sales, que estuda ir para o PV ou para o PEN. Mas há a possibilidade, também, de que a própria deputada Eliziane Gama deixe o PPS. Não se descarta a sua filiação ao Rede Sustentável, partido da ex-ministra Marina Silva.

Outro ainda sem rumo partidário definido é o deputado federal João Castelo, que não tem a garantia do PSDB de que poderá ser candidato em 2016. Mas Castelo não tem qualquer noção de para onde ir se precisar mesmo deixar o ninho tucano.

A mudança partidária dos pré-candidatos – sobretudo uma eventual mudança de Eliziane – mexerá também com políticos que, aparentemente, nada têm a ver com as eleições do ano que vem. O deputado federal José Reinaldo Tavares, por exemplo, deve mesmo deixar o PSB. Seu destino mais provável é o Partido Novo (PN), criado recentemente.

A caminho do mesmo partido estaria também o deputado estadual Wellington do Curso (PPS).

Para a mesma Rede Sustentável está sendo cogitada a entrada do deputado Cabo Campos (atualmente no PP).

E até o presidente da Assembleia Legislativa, Humberto Coutinho (PDT) pode trocar de legenda.

Como se vê, a movimentação partidária deve ser intensa durante toda esta semana, com mudanças significativas – relacionadas direta ou indiretamente às eleições de 2016.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão