Vereadores aliados a Castelo negam ter testemunhado agressão contra professora

Vereador Batista Matos - foto: Biné Morais de O Estado

Os vereadores Batista Matos, Ivaldo Rodrigues e José Joaquim, os mesmos que buscaram holofotes com o caso das obras do Aeroporto Internacional Marechal Hugo da Cunha Machado, com a realização de uma “inspeção” sem pé nem cabeça no terminal, após a própria Infraero ter esclarecido os motivos, estipulado datas e garantido recursos para as obras de recuperação do espaço, divulgaram nota em que negam ter sido testemunhas de ato de agressão do Prefeito João Castelo contra a educadora Lindalva Batista.  Não era esperado o contrário. Imagens mostram os vereadores cercando o prefeito e a professora, no momento do ato impensado do “gestor” municipal.

A nota, no entanto, não esclarece o teor da discussão entre o prefeito e a sindicalista e se propõe apenas em afirmar que as informações divulgadas sobre o fato tratam-se de factóides com fins meramente políticos. Afirmam ainda, vejam só, estarem surpresos com a denúncia da sindicalista, que chegou chorar momentos de pois de ter sido destratada por Castelo.

vereador Ivaldo Rodrigues / Foto: Flora Dolores de O Estado

Com o discurso, tentam Batista Matos, Ivaldo Rodrigues e José Joaquim, levarem a população a crer que as informações noticiadas, não passam apenas de mentiras da mídia de oposição. Pura bobagem, aliás, já esperada dos três.

Leia abaixo a nota dos edis.

 

Nós, vereadores abaixo subscritos, em compromisso com a verdade dos acontecimentos, vimos publicamente esclarecer o que ocorreu de fato no episódio envolvendo a sindicalista Lindalva Batista e o prefeito João Castelo, após a cerimônia de posse do Conselho Municipal de Educação, no auditório do Palácio La Ravardière.

Em respeito à opinião pública, e pelo motivo de termos sidos citados pela presidente do SindEducação como testemunhas de uma agressão – que em momento algum aconteceu, seja de forma verbal ou física –, esclarecemos que realmente estávamos presentes no momento em que a professora abordou o prefeito João Castelo exigindo uma audiência, ocasião em que o mesmo chamou o secretário de Educação, Othon Bastos, para que a recebesse na Semed e, posteriormente, despachasse com ele sobre as reivindicações da líder sindical. Inclusive, há fotos que confirmam a verdade aqui declarada e desmentem qualquer versão de agressão.

vereador José Joaquim / Foto: Biaman Prado de O Estado

Na condição de representantes legítimos do povo, enfatizamos que não presenciamos qualquer atitude do prefeito que desabonasse a representante de classe Lindalva, a mulher Lindalva ou a categoria dos educadores, da qual fazemos parte com todo o orgulho. Na verdade, o que estamos, até agora, é surpresos com as ‘denúncias’ feitas pela professora de um acontecimento irreal, inexistente.

Refutamos de público a criação de factóides com fins meramente políticos, como o que estamos vendo em alguns setores da mídia claramente de oposição ao prefeito João Castelo, que não estão sendo fieis à verdade, tentando desconstruir a imagem do prefeito e colocá-lo contra toda uma categoria.

Também, na condição de cristãos, reafirmamos que jamais iríamos corroborar com qualquer atitude grosseira por parte de qualquer autoridade pública. Assim como não podemos nos omitir de repudiar quaisquer inverdades, pautadas em motivos que desconhecemos e nas quais ainda somos citados indevidamente, como se nada tivéssemos feito ao presenciar uma suposta agressão.

Professores que somos, ratificamos nosso compromisso com a categoria dos educadores, que labutam no cotidiano para a formação de novas gerações.

Reafirmando o compromisso com a verdade, subscrevemo-nos,

Vereador Batista Matos

Vereador Ivaldo Rodrigues

Vereador José Joaquim Ramos

João Castelo agride professora e caso vai parar em Delegacia

Imirante.com – A presidente do Sindicato dos Profissionais do Magistério do Ensino Público Municipal de São Luis (Sindeducação), a professora Lindalva Batista, registrou um boletim de ocorrência da Delegacia Especial do Idoso contra o prefeito de São Luís, João Castelo. De acordo com a professora, em entrevista na rádio Mirante AM, ao tentar conversar com o prefeito, ele puxou seu terno e a chamou de maluca.

João Castelo em discurso / Foto: Biné Morais.

O caso ocorreu no fim da manhã de hoje (17), na Prefeitura de São Luís, durante a posse dos conselheiros municipais de Educação.

“Quando eu fui falar com ele, ele veio de maneira muito agressiva, me chamou de maluca. Eu sabia que ele era acostumado a bater em estudantes, mas não sabia que ele batia também em professores! Então ele não me bateu porque ele disse que eu era mulher. Esse foi meu entendimento. É a segunda vez que ele me trata assim”, contou a professora Lindalva Batista.

Segundo a versão da professora municipal, ela teria se aproximado do prefeito, para tentar falar sobre alguns problemas que estão ocorrendo na Educação Municipal, relacionados às condições de trabalho dos professores.

Segundo Lindaval Batista, a Prefeitura ingressou com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade contra a aprovação do Estatuto do Professor. “Ele diz na ação que o estatuto foi eleitoreiro, que não foi aprovado de maneira correta, um absurdo!”, disse Lindalva.

Durante a discussão com o prefeito João Castelo, ele teria chamado um secretário para tentar resolver o problema. “Disse a ele que era importante falar com ele. Como ele não recebe ninguém, aproveitamos esses momentos para tentar conversar com ele”, completou a professora. Lindalva contou, ainda, que três vereadores presenciaram a cena: Batista, Ivaldo Rodrigues e José Joaquim. “Eles não fizeram nada, apenas me pediram calma”, finalizou.