Morde e assopra

O governador Flávio Dino (PCdoB) utiliza-se da estrutura da Federação dos Municípios do Maranhão para se apresentar como salvação para prefeitos de todo o estado. Ele tem usado a entidade para convocar para um encontro, marcado para a tarde desta terça-feira, 4, em São Luís.

O encontro, no entanto, está sendo visto por prefeitos – de oposição e mesmo governistas – como uma espécie de morde-e-assopra do governador. Sobretudo depois da reunião que Dino teve com vereadores maranhenses, no mês passado.

Durante o encontro com os parlamentares municipais, o comunista chegou a exigir deles que fiscalizem duramente as prefeituras, a fim de evitar desvios de conduta e de verbas dos municípios. Chegou a insinuar, inclusive, que evitava convênios com prefeitos para impedir que os recursos sejam aplicados incorretamente.

A declaração do governador repercutiu mal entre os gestores municipais. E foi então que ele acionou seu principal aliado na categoria, o presidente da Famem, Cleomar Tema Cunha. Tema articula-se para uma eventual composição com Dino, onde possa figurar como candidato a vice-governador ou até mesmo a outro posto na chapa do comunista. E para isso tenta mostrar força entre os prefeitos.

Nos últimos 30 dias, Tema tratou de desfazer o que os aliados de Dino chamam de mal-entendido no discurso do governador. E daí o tal encontro “morde-e-assopra” programado para esta terça-feira.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Após encontro de Roseana com prefeitos, Flávio Dino “corre atrás” de eleitos

jerry-incomodado jerry-incomodado-2Foi tão somente a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) se reunir com prefeitos eleitos e reeleitos do PMDB [releia aqui], para a cúpula comunista “acusar o golpe”.

O secretário de Estado da Comunicação e Assuntos Políticos, Marcio Jerry, presidente estadual do PCdoB e homem de confiança do governador Flávio Dino (PCdoB), anunciou há pouco, em seu perfil em rede social, encontro de Dino com prefeitos eleitos.

A reunião, segundo Jerry, ocorrerá no dia 1º de dezembro, na capital. Antes disso, no dia 30 deste mês, haverá encontro de Flávio Dino com prefeitos eleitos das 30 cidades com menor IDH do estado.

A movimentação, às pressas, contudo, só deixou evidente o temor que Flávio Dino tem em ter de enfrentar Roseana numa eleição em 2018. E esse temor parece crescer a cada dia…

Roseana reúne prefeitos eleitos pelo PMDB

roseana-e-prefeitos roseana-e-prefeitos-2A ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) coordenou na manhã de hoje, uma reunião com os prefeitos eleitos e reeleitos pelo PMDB no estado.

O encontro ocorreu na residência do secretário-geral do partido e atual presidente estadual em exercício, Remi Ribeiro.

No encontro, Roseana pediu seriedade dos gestores na condução da máquina pública e unidade na legenda.

A peemedebista não falou do seu futuro político…

A crise entre o Governo e as prefeituras

Flávio Dino enfrenta fortes críticas de prefeitos

Flávio Dino enfrenta forte pressão de prefeitos

Os dois lados tentam manter as aparências públicas, mas o clima entre o governador Flávio Dino e os prefeitos maranhenses não ficou amistoso após a Marcha Municipalista promovida pela Federação dos Municípios. A passagem do governador teve forte repercussão negativa, tanto entre os gestores municipais quanto pelo que falou à imprensa.

De lá para cá, o que se ouve são reclamações dos prefeitos de que o governo recusou-se a atender pedidos pela liberação de recursos de convênios, dando de ombro ao apelo para recuperação dos municípios. E de lá para cá o que se vê nas redes sociais é uma discreta, mas intensa troca de farpas entre o chefe da Articulação Política de Dino, jornalista Márcio Jerry, e o presidente da Federação dos Municípios, Gil Cutrim.
E diante dos discursos de quase clamor dos prefeitos, o governador ainda ironizou, cobrando deles que se posicionassem a favor da criação da nova CPMF, com alíquota de 0,38%.

Desde então, os prefeitos entenderam o recado: pelo menos em 2015 – e muito menos em 2016, que é ano eleitoral, com restrições, portanto, à realização de convênios e parcerias – os municípios não poderão contar com recursos do governo do Estado para tentar salvar o orçamento.

E agora chega o fim do ano e o 13º salário. Será um “deus nos acuda”.

Um “Deus nos acuda”, Da coluna Estado, de O Estado do Maranhão

Edilázio cobra a reação de prefeitos a calote do Governo

Deputado Edilázio Júnior

Deputado Edilázio Júnior

O deputado estadual Edilázio Júnior (PV) cobrou hoje do presidente da Famem, Gil Cutrim, prefeito de São José de Ribamar e que coordena a I Marcha Municipalista do Maranhão, evento que se estenderá até amanhã no Rio Poty Hotel, a defesa dos interesses dos prefeitos no evento, que contará amanhã, com a presença do governador Flávio Dino (PCdoB).

O parlamentar lembrou que o governador Flávio Dino está inadimplente com os municípios, uma vez que ainda não pagou uma série de convênios firmados na gestão passada e que estão com os recursos assegurados, e afirmou esperar que os prefeitos reajam ao calote.

“O governador Flávio Dino, no seu primeiro dia de mandato, a primeira coisa que fez foi estornar o dinheiro dos prefeitos. Esse foi o seu primeiro ato. E diariamente nós temos ouvido relatos de prefeitos que estão com os seus convênios não pagos. Tenho contato com vários prefeitos, daqueles que me apoiaram em 2014 e até dos que não me apoiaram. Todos reclamam da inadimplência do Governo.  Então venho aqui pedir que nessa marcha os prefeitos possam sim externar aquilo que eles falam para os deputados diariamente”, disse e completou:

“Flávio Dino é um mau pagador. Não paga os convênios dos prefeitos, não paga as emendas dos deputados, não paga os fornecedores, que estão aí com quase cinco meses de atrasos, não paga as construtoras. E é por isso que dia após dia as notas do Governo em relação a investimentos têm caído”.

A I Marcha Municipalista foi aberta oficialmente hoje às 8h30 no Rio Poty Hotel. Na programação de hoje, há uma série de palestras de técnicos voltados à administração pública.

Amanhã, a partir das 9h, está prevista uma reunião de trabalho entre o governador e seu secretariado e os prefeitos que participam do evento. A expectativa é de que os prefeitos apresentem uma pauta de reivindicações e cobrem o pagamento dos convênios.

Prefeitos cobrarão pagamento de convênios do Governo

Gil Cutrim é o presidente da Famem

Gil Cutrim é o presidente da Famem12

O Governo do Estado terá até o fim do próximo mês para pagar os convênios firmados entre a administração estadual e prefeituras cujas obras já foram realizadas. No período ocorrerá a I Marcha Municipalista do Maranhão e uma reunião do governador Flávio Dino (PCdoB) com os prefeitos já está agendada para o evento.

A I Marcha Municipalista do Maranhão está programada para ocorrer nos dias 29 e 30 de outubro. A programação já está definida. Além de oficinas, que abordarão temas de interesse da municipalidade como comunicação e negociação no setor público, elaboração de projetos e práticas sociais, licitações e contratos, haverá reuniões políticas.

E serão nessas reuniões que os prefeitos tentarão junto aos deputados federais e estaduais aliados, pressionar o governo para a liberação da verba de convênios. A primeira reunião política será com a bancada do Maranhão em Brasília e também com os deputados estaduais.

Um dia depois, os prefeitos terão uma plenária com o governador quando vão cobrar de Flávio Dino pessoalmente a liberação da verba.

Trinta e três convênios ainda não foram pagos pelo governo estadual. Os convênios foram firmados pela gestão anterior e parte desses acordos já haviam sido pagos.

No fim de 2014, após medições, foi enviada ordem de pagamento de pelo menos 40 convênios.

No segundo dia de governo, já em 2015, Flávio Dino enviou ofício ao Banco do Brasil suspendendo o pagamento dos convênios, alegando a necessidade de auditorias. Após três meses do novo governo, os prefeitos começaram a cobrar.

Informações de O Estado

Falta prefeito…

Imagem da Ponte José Sarney, que liga a Beira-Mar ao São Francisco

Imagem da Ponte José Sarney, que liga a Beira-Mar ao São Francisco

O deputado federal Hildo Rocha foi um dos mais eloquentes participantes da solenidade de homenagem aos 403 anos de São Luís, segunda-feira, na Câmara Federal. E fez questão de destacar as ações de prefeitos e do governo ­ do qual fez parte em vários momentos ­ nestes últimos 30 anos.

O deputado destacou que não há, neste período, nenhuma obra que possa ser contabilizada na conta dos prefeitos da capital como importante para o desenvolvimento e modernização da cidade.

A história mostra que o parlamentar do PMDB tem razão. De Gardenia Castelo, eleita em 1985, a Edivaldo Júnior, atual gestor, pouco que tenha sido feito em termos de mobilidade urbana, infraestrutura, transporte ou saneamento tem a assinatura dos prefeitos.

Pelo contrário, foram os governadores ­em maior ou menor grau ­ os que deixaram sua marca na capital maranhense. Os governadores construíram a maioria dos equipamentos, aparelhos e logradouros públicos que deram uma nova cara à capital maranhense.

São viadutos, novas avenidas, praças, parques, habitações, espaços turísticos e obras de saneamento e infraestrutura de saúde que garantiram aos prefeitos, se quisessem, dotar a capital de um sistema de transporte de qualidade, e um sistema de turismo respeitado.

Hildo Rocha destacou, sobretudo, o governo do qual fez parte ­ os dois últimos mandatos de Roseana Sarney (PMDB) ­ citando a infraestrutrua de saúde, o investimento em saneamento e abastecimento, os equipamentos de lazer e turismo e as obras de mobilidade urbana, citando nominalmente cada uma delas.

E lamentou que, infelizmente, não se vê no horizonte desenho que possa, ao menos, apontar para a manutenção destes logradouros públicos.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Denúncia “libertou” prefeitos, diz Ricardo Murad

repercutiuO secretário de estado da Saúde e deputado estadual licenciado, Ricardo Murad (PMDB), afirmou ontem, na coletiva de imprensa, que a denúncia levantada pelo senador Lobão Filho (PMDB), candidato ao Governo do Maranhão, contra o presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE), conselheiro Edmar Cutrim, deverá promover de imediato a “libertação do prefeitos”.

Murad disse que prefeitos não precisam mais temer ameaças

Murad disse que prefeitos não precisam mais temer ameaças

Murad afirmou que muitos prefeitos haviam mudado de lado, na campanha eleitoral, sob pressão e suborno do presidente da Corte de Contas. Mas agora, deverão não mais temer qualquer tipo de represália, uma vez que a denúncia expôs, segundo o secretários, um dos jogos mais sujos e baixos da política no Maranhão.

“Os prefeitos do Maranhão não precisarão mais temer Edmar Cutrim. Ele não vai mais chantageá-los, não vai mais poder julgar as contas de nenhum gestor. Os prefeitos estão libertados”, disse.

Em seguida, o peemedebista foi mais duro, ao comentar que já desconfiava da atuação “nada republicana e do desvio de conduta” do conselheiro de contas. “A história de Edmar Cutrim já se sabia há muito tempo. Prefeitos que pagam, prefeitos que estão no cabresto, como reféns dele. Essa é uma história antiga, mas que agora veio à tona pelas palavras do próprio Edmar. É ele quem admite tudo”, finalizou.

Ontem, por meio de nota, Edmar rechaçou as denúncias.

Denúncia contra Edmar Cutrim pode provocar anulação de eleição, diz especialista

Edmar Cutrim é presidente do TCE

Edmar Cutrim é presidente do TCE

A denúncia de que o presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE) do Maranhão, conselheiro Edmar Cutrim, estaria usando a força do cargo para pressionar prefeitos e lideranças e influenciá-los a apoiar o candidato a governador Flávio Dino (PCdoB), da coligação “Todos pelo Maranhão”, pode culminar com uma ação de abuso de poder político contra o comunista, ou com a anulação da eleição.

A opinião é do advogado especialista em Direito Eleitoral Marcos Lobo. Segundo ele, no caso concreto cabe a proposição de uma Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE) para apurar suposto abuso, que pode ser protocolada na Justiça Eleitoral tanto pela coligação “Pra Frente, Maranhão”, encabeçada pelo candidato a governador Lobão Filho (PMDB), quanto pelo Ministério Público Eleitoral (MPE).

“Claro que pode [ser anulada a eleição]. A denúncia é de que o presidente do TCE, no exercício do cargo, teria usado sua força política para pressionar gestores e líderes políticos e direcionar o apoio deles a um candidato. Nesse caso, pode ser proposta uma Ação de Investigação Eleitoral para apurar o abuso de poder político e, se confirmadas, tomadas as medidas cabíveis contra todos que porventura se tenham beneficiado da conduta ilegal”, declarou.

Ações – A AIJE deve ser protocolada pela coligação peemedebista ainda nesta sexta-feira. O mesmo deve ocorrer com a ação no Superior Tribunal de Justiça (STJ) por meio da qual Lobão Filho solicitará o afastamento imediato do presidente do TCE e a reavaliação de contas julgadas pela Corte.

“A atitude do presidente do Tribunal de Contas coloca em xeque toda a disputa eleitoral, a imparcialidade das contas por ele julgadas e sua legitimidade para continuar à frente do TCE”, declarou a O Estado o deputado licenciado Ricardo Murad (PMDB).

Publicada em O Estado