Anulado pelo PSB, Bira do Pindaré desiste de candidatura

BiraNo caminho, muitas foram as dificuldades. Primeiro, o senador Roberto Rocha se lançou candidato. Depois, tentou filiar a deputada federal Eliziane Gama ao partido para ser a candidata à prefeita pelo PSB. Não conseguiu. Finalmente, lançou o nome do filho, vereador Roberto Rocha Junior, passando a negociar a vaga de vice-prefeito com Edivaldo Holanda Junior e Wellington do Curso.

Para arrematar, o filho, na qualidade de presidente da Comissão Provisória do PSB em São Luís, marcou a Convenção para a última hora do último dia, dificultando a mobilização dos filiados, prejudicando as coligações partidárias e a chapa de vereadores.

Tais ações representam uma postura repudiável, que reduz o PSB e nossa pré-candidatura a “moeda de troca” em favor de interesses particulares que nada tem a ver com as necessidades do povo.

Lutamos bravamente para oferecer a cidade de São Luís um caminho diferente. Fizemos tudo que era possível. Recorremos até a Justiça. Infelizmente, não conseguimos.

Por essa razão, somos obrigados a reconhecer que nossa candidatura sofreu um impedimento por parte da direção municipal do PSB sob o controle exclusivo do Senador Roberto Rocha.

Bira do Pindaré, deputado estadual pelo PSB

Bira do Pindaré pede a inclusão de seu nome na pauta da convenção do PSB

Bira documentoO deputado estadual Bira do Pindaré, pré-candidato a prefeito de São Luís pelo PSB, protocolou hoje requerimento junto à Comissão Provisória do partido na capital, com pedido para que o seu nome seja incluído na pauta de votações da convenção municipal da sigla.

O evento, que definirá se o partido terá ou não candidatura própria no pleito deste ano, ocorrerá no dia 5 de agosto na Câmara Municipal de São Luís.

“Hoje (26), informei de maneira oficial, por meio de requerimento junto à Comissão provisória, a nossa pré-candidatura a prefeito de São Luís e solicitei a inclusão do nosso nome na pauta de votação. Pedi também informações sobre os procedimentos que serão adotados pelo dispositivo no dia da Convenção, como, por exemplo, os horários para início e termino do credenciamento e da votação, além dos nomes dos responsáveis pelo credenciamento e formação da Comissão para apuração dos votos”, disse.

Bira, que trava uma batalha dentro da sigla com o senador Roberto Rocha, afirmou que não desistirá do projeto de candidatura própria.

“Reafirmo meu sentimento de gratidão à militância do PSB no Maranhão que não se vende e não se rende. Desde o início, quando me convidaram para ser candidato e eu aceitei, defendem nossa candidatura e estão nessa luta em defesa do fortalecimento do nosso partido e da democracia, mas, sobretudo, em defesa da população da cidade de São Luís do Maranhão, que merece esse debate. Vamos para a Convenção com o mesmo amor no coração e a mesma bravura de sempre”, finalizou.

Na Justiça

BiraO período de campanha ainda nem começou e já há, dentre os pré-candidatos a prefeito de São Luís, que tenha recorrido à Justiça Eleitoral.

Trata-se do deputado estadual Bira do Pindaré (PSB). Vetado pela cúpula do partido, ele quer assegurar o “direito” de disputar o comando do Palácio La Ravardière, por isso anunciou uma ação na Justiça no último fim de semana.

A ação de Bira, é talvez a primeira de dezenas que serão protocoladas na Justiça Eleitoral até o fim do pleito.

A judicialização da disputa eleitoral, ganhou elevação gigantesca nos pleitos de 2012 e 2014, especialmente pelo grupo o qual Bira está inserido, formado na essência por advogados, militantes da OAB e um ex-juiz.

No mais recente caso, o enredo é o seguinte: Bira tenta, desde o início do ano, consolidar-se como pré-candidato a prefeito.

Apareceu com desempenho tímido nas pesquisas de intenções de votos e recusou participar da ‘Sabatina Verde’, primeiro debate entre os pré-candidatos a prefeito da capital, e que ganhou forte repercussão no meio político.

A direção municipal do PSB e o senador Roberto Rocha, por outro lado, já demarcaram posição. O partido deverá compor a chapa do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT), que disputará a reeleição em outubro.

  Neutralizado, o socialista tenta na Justiça anular a eventual aliança do PSB com o PDT – que somente poderá ser oficializada na convenção partidária -, para que a sua pré-candidatura passe então a ganhar contornos de realidade.

Se irá obter êxito na disputa judicial, é uma incógnita.

O desgaste de sua pré-candidatura, por outro lado, já parece algo cristalino e consolidado…

O “plano B” do Palácio dos Leões

edivaldo obraSem qualquer influência sobre a pré-candidatura da deputada federal Eliziane Gama (PPS) e do deputado estadual Wellington do Curso (PP), somado a inviabilização até aqui, da pré-candidatura do deputado estadual Bira do Pindaré (PSB), o governador Flávio Dino (PCdoB) tem no prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PSB), “plano B” para a disputa das eleições de outubro.

Não é novidade para ninguém que Bira do Pindaré é o pré-candidato favorito de Dino. E os movimentos políticos do governador, do início do ano até aqui, demonstram isso. Foi inclusive o que afirmou há duas semanas na tribuna da Assembleia Legislativa, o deputado Edilázio Júnior (PV), sem nenhuma contestação por parte da base governista. Bira foi o único – até de forma protocolar -, a rejeitar o “título” de preferido.

Mas Bira está com a sua pré-candidatura ameaçada. Eliziane e Wellington distantes de Dino. Restou Edivaldo Júnior, que não conseguiu efetivar a mudança tão prometida no pleito de 2012. E prometida justamente ao lado do comunista.

Flávio Dino não tem muita opção.

Fará de tudo para conseguir efetivar o PT na chapa de Edivaldo. Mário Maceira passou a fazer parte do projeto político para 2018, e Edivaldo é “a ponte” necessária para essa travessia.

Por isso a sua importância no contexto.

Isso porque não deu muito certo aquele esboço de aliança entre o PSB e o PT.

Lembram?

Os contornos seriam outros agora…

A súplica de Bira do Pindaré

BiraNeutralizado pela direção municipal do Partido Socialista Brasileiro (PSB), o deputado estadual e pré-candidato a prefeito, Bira do Pindaré, é hoje vítima – dentro de seu próprio partido e grupo político -, daquilo que tanto acusou os seus adversários ao longo de sua trajetória: a velha política.

O socialista trava uma batalha, já quase perdida, diga-se de passagem, contra o senador Roberto Rocha (PSB) e o vereador Roberto Rocha Júnior (PSB), que aproximam a legenda de uma aliança com o prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT).

 Na última sexta-feira, Bira do Pindaré anunciou que recorreria à Justiça para obter o direito de ser o candidato do partido a prefeito de São Luís.

Afirmou aos filiados que simpáticos à sua pré-candidatura, que não aceitará o “coronelismo” de ninguém.

Logo Bira, que tanto apontou o dedo aos adversários, vítima de a um ato dessa natureza entre os seus?

Existe então “coronelismo” dentro de sua própria casa, e não apenas no grupo adversário como tanto gritou?

Ocorre que Bira sabe exatamente ao lado de quem está. Bira conhece o senador Roberto Rocha. Ele  conhece o perfil daqueles que o cercam, e conhece a si próprio. Sabe que a coerência e a “mudança” não fazem parte da rotina do grupo ao qual está inserido.

Não foi o grupo Sarney quem conspirou contra a candidatura de Bira. Não foi a “oligarquia” quem tentou, a todo custo, ferir o direito do socialista de disputar o comando do Palácio La Ravardière. Foi o grupo da “mudança”, da “democracia”, o grupo dos diálogos pelo Maranhão, o grupo e o partido – como ele afirmou em 2014 -, que representam a “nova política”.

E vai reclamar de que, afinal?

PSB e PT disputam a vice de Edivaldo Júnior

edivaldo-holanda-junior1-300x282A aproximação do senador Roberto Rocha (PSB) ao prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT), abriu uma nova disputa partidária pela indicação do candidato a vice do pedetista, na disputa pela reeleição.

Rocha quer a garantia de Edivaldo, de que ficará com o PSB, a prerrogativa indicar o candidato a vice na chapa que disputará a eleição no mês de outubro.

O nome mais cotado para o posto é do vereador Roberto Rocha Júnior (PSB), filho do senador socialista.

Ocorre que o PT oficializou no fim de semana apoio à reeleição de Edivaldo, e na oportunidade assegurou que iria pleitear espaços na vice.

O nome indicado pelo partido, neste caso, é do advogado Mário Macieira, ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), seccional Maranhão.

Macieira é uma indicação do próprio governador Flávio Dino (PCdoB).

Resta saber agora, quem vencerá essa queda de braço: se o PSB, do senador Roberto Rocha, ou se o PT, sob a indicação e influência de Flávio Dino.

Eliziane se posiciona sobre o patrulhamento de Bira do Pindaré

eliziane gama congresso

Nota

Em respeito a verdade e a milhares de amigos, companheiros e companheiras de lutas e sonhos, venho a público para dirimir as diversas ilações que fazem a respeito da minha filiação partidária em face das eleições que se avizinham.

Sou filiada a Rede, Partido que ajudei a construir, que tem como maior expoente a grande líder brasileira Marina Silva, pela qual tenho enorme admiração, respeito e amizade. Lídero todas as pesquisas de intenção de votos realizadas nos últimos 12 meses.

Assim, natural que busque conciliar a vontade popular apontada em São Luís e as condições eleitorais que a regra exige para a viabilização de uma candidatura competitiva sob o ponto de vista de tempo de televisão, alianças e debates eleitorais, elementos imprescindíveis a disputar em igualdade de condições com os demais. Enquanto que o meu Partido, em face da recém criação, não preenche parte destes requisitos legais impostos pela legislação.

Por óbvio, vários Partidos por suas lideranças, Estaduais e Nacionais, abriram as portas de seus Partidos para que eu me filiasse, fato que muito me orgulha, posto que resultado de árduo trabalho ao longo da minha vida pública.

Estarei até a próxima sexta feira dando publicidade da minha decisão.

Alguns devaneios e ofensas gratuitas e imotivadas na Rede Social se apresentam em série, mas me parece um temor orquestrado de pretensos pré-candidatos em relação ao meu nome, a tirar proveito e aparecer na mídia.

Especialmente o convite a mim feito pelo Partido Socialista Brasileiro – PSB, este nasceu desde a pré-campanha de Presidente do grande líder Eduardo Campos, em Salvador, na presença de todas as lideranças locais do PSB dentre as quais o presidente estadual do PSB Luciano Leitoa, Paulo Matos, presidente estadual do PPS e Marina Silva, quando pediu que abrisse mão da disputa para Governador em favor de Flávio Dino, vez que os mesmos ventos que sopravam para eleger o nosso atual governador seriam os mesmos ventos que em 16 soprariam para me eleger na capital, assim resumiu Eduardo. E que o PSB estaria nas duas vitórias.

Com esta lembrança e justificativa recebi efusivo convite do Presidente Nacional do Partido – Carlos Siqueira.

Estes os fatos.

Contudo, não quero e nunca quis puxar o tapete de ninguém, pelo contrário, sempre estive nas fileiras das mudanças, com ampla aprovação popular e crescente. Aguardarei desdobramentos nas próximas horas e sem patrulhamento apresentarei o que for o melhor para casar a vontade popular latente e a direção Partidária que se afina com minha trajetória

Deputada Federal Eliziane Gama

Bira do Pindaré deixa o Governo e retorna para a Assembleia Legislativa

Bira do PindaréO governador Flávio Dino (PCdoB) anunciou há pouco, por meio de seu perfil, em rede social, a saída do secretário de Estado da Ciência e Tecnologia, Bira do Pindaré (PSB), da sua equipe de governo.

Pré-candidato a prefeito de São Luís, Bira retorna para a Assembleia Legislativa, para exercer o mandato para o qual foi eleito em 2014. Ele tentará, nos meses que antecedem a eleição municipal, fortalecer a sua pré-candidatura e contrapor a gestão de Edivaldo Holanda Júnior (PDT), hoje seu adversário político.

O retorno para a Assembleia Legislativa também tem outro objetivo: garantir da cúpula do PSB, o apoio à sua pré-candidaruta.

Isso porque uma ala da sigla quer a filiação da deputada federal Eliziane Gama (Rede) na legenda. Bira usa Marcelo Tavares e o presidente estadual do partido, Luciano Leitoa [prefeito de Timon], para impedir a manobra. Isso tudo para manter inalterado o projeto político do governador Flávio Dino e evitar, ao mesmo tempo, avanço do senador Roberto Rocha, entusiasta da pré-candidatura de Eliziane Gama e potencial adversário de Dino nas eleições de 2018.

Como as coisas mudam, não?

Eliziane admite possibilidade de ingresso no PSB

eliziane gama congressoO caminho da deputada federal Eliziane Gama (Rede) deve ser mesmo o PSB. Ela admitiu a possiblidade, com exclusividade, ao jornalista Marco D’Eça [leia aqui].

– Não me filiei não, mas deve ser o caminho – disse a parlamentar.

A ida de Eliziane Gama para o PSB neutraliza o também pré-candidato Bira do Pindaré no partido político.

Fortalece também o projeto político do senador Roberto Rocha (PSB), que mira o Governo do Estado em 2018.

Esse, contudo, é assunto para outro post…

Bira demonstra fraqueza e teme Eliziane no PSB

BiraO secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação, Bira do Pindaré (PSB), demonstrou preocupação, fraqueza e medo com uma eventual filiação da deputada federal Eliziane Gama (Rede) no Partido Socialista Brasileiro (PSB).

Bira é pré-candidato a prefeito de São Luís pela legenda, por isso teme que a parlamentar, também pré-candidata a prefeita, acabe ocupando espaços na sigla e inviabilizando, desta forma, o seu projeto político.

Eliziane Gama, por sua vez, analisa convite do senador Roberto Rocha (PSB) para filiar-se ao partido. A decisão deve ser tomada até o início da próxima semana.

“Se for confirmada a ida da deputada para o PSB, irá para rifar um concorrente da disputa e não por estrutura partidária, pois assim fosse teria aceitado o convite do PSDB, que tem muito mais tempo de TV e estrutura partidária”, afirmou Bira do Pindaré ao blog de Clodoaldo Corrêa.

ElizianeBira afirmou que caso Gama ingresso no partido, ele vai encarar o ato como uma traição política.

“Vai ser um gesto desleal comigo que tanto a ajudei nas eleições de 2012 quando ela foi candidata a prefeita. Seria uma desconsideração completa ela se filiar ao partido para tentar me eliminar da disputa. Ela defende a boa política, a nova política. Seria muito ingratidão”, disse.

É uma demonstração cristalina da insegurança de Bira na própria sigla. Logo ele?