Após discussão e vexame, Beto Castro e Honorato recuam

Os vereadores Honorato Fernandes (PT) e Beto Castro (PROS), se retrataram na sessão de ontem, após a forte discussão da semana passada, que resultou em troca de acusações e anúncio de investigação no Ministério Público, a um suposto esquema de venda de emendas no Legislativo Municipal.

Honorato pediu desculpas a todos os membros do Legislativo e à sociedade. “Tenho muito respeito por esta Casa. Nesta ainda curta trajetória política, sempre primei pelo tom de conciliação e busquei sempre a conversa amigável como meio de solucionar os problemas. Por isso me desculpo com todos os meus pares e também com a nossa população pelo incidente da última quarta-feira”, disse.

Honorato também rechaçou ter negociado emendas parlamentares a um instituto, como sugeriu Beto Castro na última quarta-feira.

“Todos aqui neste parlamento são sabedores de que esta emenda foi integralmente destinada para a realização do Carnaval de Passarela e de terça feira, através do Instituto Lógica. Sem a destinação desta emenda o mesmo não aconteceria. Esta destinação inclusive foi objeto de várias matérias no período carnavalesco. Nada foi feitos às escondidas e de forma ilegal”, explicou.

Logo em seguida, o vereador Beto Castro também se posicionou sobre o episódio. Ele criticou a abordagem do caso e pediu desculpas ao petista.

“O episódio que aconteceu aqui nesta Casa foi lamentável. Fiquei indignado pela forma com que alguns veículos de comunicação trataram o caso, que muitas das vezes usaram o fato para denegrir a minha imagem. Mesmo assim, peço desculpas ao vereador Honorato, a esta Casa e à população de minha querida cidade pelo ocorrido na última quarta-feira”, finalizou.

Governo recua e se compromete em retirar Funac da Aurora

O Governo Flávio Dino (PCdoB) recuou e a unidade anexo da Fundação da Criança e do Adolescente (Funac) sairá, até o mês de dezembro, do bairro Aurora.

O recuo ocorreu após pressão da comunidade e as várias denúncias em relação ao escândalo conhecido como “aluguel camarada”, que ganhou repercussão nacional há três semanas.

A decisão da retirada da unidade da Funac da Aurora ocorreu na manhã de hoje, durante uma audiência de conciliação na Vara de Interesses Difusos e Coletivos de São Luís, conduzida pelo juiz Douglas Martins.

Além de ser obrigado – pelo acordo -, a retirar a unidade da Aurora, o Governo do Estado comprometeu-se em instalar um posto da PM funcionando 24h e reformar uma quadra de esportes da comunidade, com a implantação de uma academia.

A comunidade assegurou que vai cobrar o cumprimento do acordo…

Depois de pressão da oposição Flávio Dino recua e abre mão de empréstimo

flaviodinoO Estado – Após pressão da oposição por informações detalhadas sobre a operação de crédito, o governo Flávio Dino (PCdoB) deve desistir de contrair empréstimo do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA).

A informação é do secretário-chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares (PSB), ex-deputado estadual e, atualmente, responsável por articular com a base aliada a aprovação de matérias de interesse do Executivo.

“Não deveremos ter o empréstimo do Fida, por isso fizemos esse da Caixa [Econômica Federal]”, disse, referindo-se ao empréstimo autorizado nesta semana pela Assembleia Legislativa, no valor de R$ 444 milhões.

A transação com o Fida, avaliada em 14,3 milhões de Direitos Especiais de Saque, foi autorizada pelos deputados estaduais em outubro, mas nunca devidamente explicada pelo governo aos parlamentares de oposição.

Antes de autorizar a tomada do empréstimo, soube-se apenas que os tais “Direitos Especiais de Saque” são um indexador do Fundo Monetário Internacional (FMI) baseado em cinco moedas internacionais.

Explicações – O deputado estadual Adriano Sarney (PV) foi um dos que mais pediram explicações à base aliado do governador na Casa sobre o empréstimo. Antes da votação, ele chegou a pedir vistas da proposição, para que o governo fosse instado a detalhar o projeto e suas finalidades, e o plano de investimento.

Ele cobrou, também, que o Executivo informasse, em moeda brasileira, quanto seria desembolsado para o pagamento do empréstimo, uma vez que os “Direitos Especiais de Saque” são compostos por uma cesta de moedas que inclui dólar, euro, libra, iene e yuan.

“O problema é que esse empréstimo, ao Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), está cotado em 14,3 milhões de Direitos Especiais de Saque, um indexador do FMI baseado em cinco moedas internacionais, portanto, sujeito à volatilidade do mercado”, avaliou o parlamentar à época.

Governo recua mas inviabiliza Expoema, diz deputado

Charge de Clovis Cabalau, diretor de redação do jornal O Estado do Maranhão

Charge de Clovis Cabalau, diretor de redação do jornal O Estado do Maranhão

O deputado estadual Edilázio Júnior (PV) afirmou há pouco, na Assembleia Legislativa, que o Governo do Estado recuou em relação à decisão de tomar da Associação dos Criadores do Maranhão (Ascem).

Em reunião com os criadores realizada ontem, representantes do Executivo informaram que poderão ceder o espaço do Parque Independência para os criadores, neste ano, mas retomam novamente o controle do imóvel em 2017.

Ocorre que apesar de a decisão – “que só ocorreu por causa do desgaste provocado a Flávio Dino (PCdoB)”, reforçou Edilázio -, a realização da Expoema já está inviável.

Os criadores afirmam, por exemplo, que já devolveram aos bancos, os recursos referentes a patrocínios para o evento, e que haverá dificuldade em contratar bandas – em decorrência do calendário de shows -, e serviços.

“O Governo recuou, mas inviabilizou, ao mesmo tempo, a realização da Expoema. Os criadores encaminharam ofícios ao Estado pedindo apoio ao evento em setembro do ano passado. Ou seja, Expoema se organiza com um ano de antecedência. O dinheiro aos bancos já foi devolvido e não há como contratar uma grade shows de uma hora para outras. As bandas são contratadas meses antes do evento”, disse Edilázio.

Edilázio lembrou que para tentar amenizar a gravidade da situação, o secretário de Estado da Agricultura, Pecuária e Pesca, Márcio Honaiser, ofereceu patrocínio – no mesmo montante oferecido em 2015 -, para a realização da festa.

Calote – O valor, R$ 95 mil, contudo, que acabou não sendo pago pelo Governo no ano passado, foi rejeitado pela Ascem. “O Governo, caloteiro como a gente sabe que é, ofereceu no ano passado a menor ajuda da história da Expoema, com apenas R$ 95 mil, e mesmo assim não pagou. Deu um calote nos criadores do Maranhão. É o Governo do calote”, acrescentou.

A Assembleia Legislativa discutiria hoje, em audiência pública, uma solução para a realização da Expoema 2016. O evento, contudo, está suspenso, a pedido da Ascem.