Rodoviários suspendem greve de ônibus pela terceira vez

O Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário do Maranhão suspendeu pela terceira vez a greve de motoristas, cobradores e fiscais de ônibus que atuam no sistema de transporte da capital.

A decisão ocorreu há pouco, em assembleia geral  da categoria, sob a orientação da cúpula do sindicato.

Os rodoviários têm ameaçado paralisar o serviço de ônibus de São Luís desde o início do mês.

Cobram reajuste salarial, aumento no ticket alimentação e melhores condições de trabalho.

O sindicato patronal, contudo, promete somente 2% de reajuste salarial, proposta rechaçada pelos motoristas, cobradores e fiscais.

Apesar de todo o imbróglio e da insatisfação da categoria, o movimento pela greve perde fôlego e vai enfraquecendo…

São Luís recebe 68 novos ônibus

onibusO sistema de transporte público da capital integrou nesta sexta-feira 68 novos ônibus para usuários. Os veículos foram vistoriados pela Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SMTT) e estão aptos ao uso.

Desse total, 60 ônibus são convencionais e oito são articulados. A informação é de que todos dispõem de sistema de ar-condicionado.

Os ônibus também são adaptados com elevadores para pessoas com deficiência e possuem três portas, que facilitam o embarque e desembarque de passageiros; sistema de fiscalização por biometria facial, bilhetagem eletrônica com recarga embarcada; bilhete único; cartão criança e GPS, para localização através da Central de Controle Operacional (CCO) e aplicativos de smartphones.

SET e três empresas acionam a Justiça contra licitação no transporte de SLZ

Terminal de passageiros do São Cristóvão

Terminal de passageiros do São Cristóvão

O Sindicato das Empresas de Transporte (SET) e três empresas de ônibus: 1001 Expresso, Retrans e Primor, ingressaram com ação na Justiça para tentar barrar a licitação do transporte público de São Luís, que é conduzida pela Prefeitura.

Antes disso, oito empresas já havia ingressado com recursos administrativos junto à Comissão Central de Licitação, mas tiveram os seus pedidos todos negados.

A licitação do transporte está agendado para a próxima quinta-feira.

O jornalista Gilberto Léda apurou que o caso será julgado pelo juiz Cícero Dias Filho, da 4ª Vara da Fazenda Pública de São Luís.

Foi ele que, em 2014, nomeou o advogado Anthony Boden como gestor na Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SMTT) justamente para deflagrar o processo licitatório para concessão das linhas do transportes urbanos de passageiros da capital.

Sobre a tarifa de ônibus

A declaração do secretário-chefe de Governo, Lula Fylho, de que os empresários do setor de transporte coletivo aspiram pelo aumento das passagens de ônibus, não encerrou o assunto no âmbito da Prefeitura.

Apenas um dia depois de o principal secretário da gestão Edivaldo Júnior (PDT) revelar a intenção a O Estado, ele foi publicamente desautorizado pelo titular da pasta de Trânsito e Transporte, Canindé Barros, que garantiu textualmente que não haverá reajuste de tarifa.

A dicotomia nas declarações – e ao que parece, nos pontos de vista – dos dois secretários só reforça uma imagem, cada vez mais nítida na população: a Prefeitura está sem rumo diante da crise no setor de transportes.

O prefeito Edivaldo Júnior sabe que, sem o reajuste almejado pelas empresas, ele empurra o sistema para um caos cada vez maior, que já se arrasta desde 2013 e piorou com a implantação -a toque de caixa – do Bilhete Único. Mas também sabe que, se sucumbir à pressão empresarial, vai caminhar para o fundo do poço da popularidade, o que, em ano eleitoral, significará o abismo total de sua campanha à reeleição.

Edivaldo tem mecanismos para medir quase diariamente o humor do eleitor, tanto em relação à sua gestão quanto à sua popularidade pessoal. E sabe que, faltando seis meses para o pleito, sua situação é complicada.

E ele não tem saída: ou concede o aumento e ameniza a crise das empresas, mas afunda no conceito da população, ou segura o reajuste até quando der, entrando em lua de mel com a população, mas jogando o caos para mais tarde.

E é uma escolha que apenas o próprio prefeito pode fazer.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Wellington quer obter informações sobre faturamento das empresas de ônibus

wellington ponteO deputado Wellington do Curso (PPS) encaminhou ontem ao Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros (SET), um ofício em que pede informações detalhadas sobre as tarifas de ônibus em São Luís.

Com o pedido, Wellington cobra esclarecimento a respeito da necessidade de reajuste da tarifa de ônibus, defendida pelos empresários e já confirmadas, nos bastidores, por assessores do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT).

“Estamos em um cenário em que, de um lado, temos a Prefeitura de São Luís e, de outro, a população ludovicense. Entre um lado e outro, tem-se o iminente aumento nas tarifas de transporte público. Mais uma vez, tem-se a tentativa de fazer com que a população pague pela má administração de recursos. Como consequência, cogita-se o aumento da tarifa. Por não identificarmos nada que justifique tal aumento, solicitamos ao SET um detalhamento da composição da tarifa de ônibus de São Luís com a demonstração dos valores subvencionados pelo Poder Público. Só então saberemos se há ou não algo que ‘justifique’, sob o ponto de vista econômico-financeiro, que a população pague tão caro para ter acesso aos ônibus. Independente disso, o que não podemos admitir é que o trabalhador tenha que pagar para ser humilhado nas ruas de São Luís”, disse.

Para o deputado, há um jogo de cenas entre os atores que formam o sistema de transporte para criar uma situação que justifique o aumento.

Mas é preciso, diz o parlamentar, que se saiba quanto de dinheiro público entra no faturamento das empresas.

“Só assim saberemos se o reajuste se justifica”, finalizou,

Reajuste da tarifa de ônibus deve repercutir na Assembleia Legislativa

Inácio assegurou que ingressará com representação contra Edivaldo

Inácio assegurou que ingressará com representação contra o Município

O reajuste da tarifa de ônibus em São Luís deve repercutir hoje na Assembleia Legislativa.

No fim de semana, o deputado Zé Inácio (PT) assegurou ao blog de Robert Lobato que ingressará com uma representação junto ao Ministério Público e ao Procon, contra a Prefeitura de São Luís e contra Sindicato das Empresas de Transporte (SET), por causa do aumento de 16% no valor da passagem.

Mas dificilmente Zé Inácio será voz ativa isoladamente no parlamento em relação ao tema.

É provável que outros parlamentares como Wellington do Curso (PPS), oposição a Edivaldo Holanda Júnior (PTC), se manifeste da tribuna da Casa.

É claro que o Governo deve interferir e peça para que a sua base evite críticas mais ácidas ao petecista. Mas é inevitável conter uma artilharia pesada contra Edivaldo, diante de um fato de tamanha importância para a sociedade, principalmente a mais carente da capital.

É aguardar.

Rodoviários ameaçam greve e usuário deve novamente ‘pagar’ a conta

greveO presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Maranhão (STTREMA), Gilson Coimbra, encaminhou ao presidente do Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros de São Luís (SET), José Luiz Medeiros, ofício comunicando que os rodoviários vão entrar em greve a partir da 0h de amanhã (25).

De acordo com o sindicalista, a decisão por uma paralisação dos serviços se deu pelo não pagamento de 40% dos salários de motoristas, cobradores e fiscais de ônibus até o dia 20 deste mês, como estabelecia Convenção Coletiva de Trabalho.

A paralisação, como já se comentava há pelo menos dois meses nos bastidores, deve apenas anteceder novo reajuste nas tarifas de ônibus.

É um script que deverá ser seguido fielmente nos próximos dias.

Simples: Os motoristas, cobradores e fiscais de ônibus vão parar, para exigir o pagamento do reajuste nos salários. A greve vai se estender e os empresários devem alegar impossibilidade de conceder o reajuste, e vão utilizar como argumento a compra dos veículos novos que estão sendo entregues à população.

Deste modo, “pressionará” a Prefeitura a autorizar novo reajuste na tarifa de ônibus. E no fim de tudo, que pagará a conta novamente é usuário.

Obs: Vale ressaltar que apesar de utilizar o argumento de que teve que arcar com a compra de novos ônibus, os empresários conseguiram ano passado – também para este fim -, reajuste na passagem de ônibus.

SET define nova data para a entrega de 250 ônibus em São Luís

Frota da capital está velha e sucateada

Frota da capital está velha e sucateada

Somente no mês de março, os 250 novos ônibus, que deveriam ter sido entregues no dia 31 de janeiro pelas empresas de transporte coletivo e pela Prefeitura de São Luís, que é a gestora do sistema de transporte, estarão disponíveis para a população. Até lá, os usuários de ônibus da capital maranhense continuarão sendo prejudicados com a precariedade de grande parte da frota de coletivos em operação atualmente por ruas e avenidas.

Após o descumprimento de um acordo firmado no ano passado, que previa a aquisição de 250 novos coletivos até o dia 31 de janeiro deste ano, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de São Luís (SET) apresentou na tarde de ontem um novo calendário para a entrega desses veículos.

Segundo a entidade, até a primeira quinzena deste mês, 110 novos ônibus já estarão nas garagens das empresas e prontos para serem entregues à população. De acordo com Gilson Neto, vice-­presidente do SET, alguns desses coletivos já estão nas garagens de empresas. Segundo ele, a 1001 Expresso dispõe hoje de 45 ônibus; a Primor, de 15; Ratrans, de 10; e a Taguatur, de nove veículos. Porém, nenhum deles está em circulação.

O empresário afirmou também que, até o fim do mês, outros 50 coletivos estarão disponíveis. “A logística para trazer os coletivos é complicada. Mas o acordo que foi feito vai ser cumprido”, garantiu Gilson Neto. Ele disse ainda que em meados do mês de março todos os 250 coletivos que foram prometidos estarão disponíveis para a população.

Resta a população, que sofre diariamente com o precário sistema de transporte público, aguardar…

Profissionais do Município, Estado e União devem substituir motoristas de ônibus em greve

Imagem meramente ilustrativa

Imagem meramente ilustrativa

O prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PTC) encaminhou ofício para órgãos e pastas do Município, Estado e da União, para que estes cedam motoristas por um período de curto e médio prazo que substituam motoristas de ônibus em greve na capital.

Os profissionais solicitados devem começar a ser apresentados no SET amanhã, e iniciar de imediato a prestação do serviço à população. A medida visa atender a decisão judicial do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), que decretou a ilegalidade da greve e determinou que os grevistas voltassem ao trabalho, o que não foi cumprido pelos rodoviários.

O secretário municipal de Trânsito e Transportes (SMTT), Canindé Barros, afirmou há pouco que todas as negociações com os rodoviários foram esgotadas.

Os empresários, que alegam prejuízos financeiros – mas não apresentam a planilha de custos -, cruzaram os braços desde a semana passada e sequer se manifestaram sobre o tema, com o objetivo de pressionar o prefeito a conceder aumento da tarifa de ônibus.

Com o desenrolar dos fatos, é provável que apenas o SET no lucro.

Enquanto isso, Edivaldo Holanda Júnior, “o novo” e a “mudança”, evita realizar a licitação das linhas de ônibus da capital. Porque será?

Mesmo com decisão judicial, rodoviários mantêm 100% da frota parada

Imagem meramente ilustrativa

Imagem meramente ilustrativa

Indiferentes à decisão judicial do TRT que decretou a ilegalidade da greve e determinou que pelo menos 70% da frota de ônibus voltasse a circular hoje, motoristas, cobradores e fiscais de ônibus decidiram há pouco, em assembleia geral da categoria, manter 100% da frota parada na capital. Com a decisão, considerada pelo titular do blog como abusiva – sob todos os aspectos -, a população segue prejudicada, sem ter o seu direto de ir e vir garantido.

Ontem, a desembargadora Solange Cristina Passos Cordeiro decretou a ilegalidade da greve e determinou a circulação imediata da frota de ônibus de São Luís. Segundo a magistrada, a paralisação infringiu o princípio constitucional que proíbe a suspensão completa dos serviços essenciais à população.

O Sindicato dos Rodoviários havia decidido acatar a decisão na manhã de hoje, mas após assembleia geral voltou atrás, e optou por desrespeitar o Tribunal Regional do Trabalho.

O impasse entre rodoviários, empresários e a Prefeitura de São Luís permanece. E Edivaldo Holanda Júnior (PTC) – não se sabe por qual motivo -, não realiza a licitação das linhas de ônibus da capital. Um absurdo para quem se intitula de “mudança”…