Deputados criticam SSP após explosão de bancos em Tutóia

Os deputados Wellington do Curso (PSDB) [estadual] e Edilázio Júnior (PV) [federal], apontaram fragilidade do comando da Segurança Pública do Maranhão após uma quadrilha ter provocado pânico na cidade de Tutóia, durante a madrugada de ontem, com a explosão de três agências bancárias.

Wellington cobrou do governador Flávio Dino (PCdoB) a nomeação de 1.750 soldados aprovados em concurso público e com formação já concluída na Polícia Militar e solicitou ao Executivo, um relatório com as ações desenvolvidas no combate à criminalidade.

“No Maranhão a segurança só existe na propaganda. Até hoje, os 1.750 soldados formados e não nomeados da Polícia Militar aguardam a boa vontade de Flávio Dino. Enquanto isso, bandidos explodiram três agências bancárias e fuzilaram até o carro da PM. Isso é Segurança, governador? É essa a Segurança do Maranhão? Solicitamos que o Governo encaminhe relatório com as ações que tem adotado para combater a criminalidade no Maranhão. Afinal, quem sofre com a criminalidade é a população”, disse.

Wellington também cobrou a concretização de uma proposta dada por ele ao Executivo, que trata de uma ação mais enérgica da Segurança Pública do Maranhão na divisa com os estados vizinhos.

“Nós já cobramos aqui e apresentamos solução. Nós já apresentamos a solução ao governador Flávio Dino de colocar barreiras policiais nas fronteiras (sic) [divisas] do Maranhão com o Piauí, do Maranhão com o Tocantins e do Maranhão com o Pará. Mas, nada disso foi feito. O que o governador quer fazer é tomar carro e moto do trabalhador maranhense. É só isso que ele sabe fazer”, pontuou, ao fazer referência as blitze para o recolhimento de veículos.

Terror

Edilázio Júnior, por sua vez, utilizou o seu perfil em rede social para criticar a gestão de Segurança Pública do estado.

Ele lembrou que somente este ano, mais de 20 crimes deste tipo já foram registrados no estado.

“Mais uma noite de terror em mais um município do Maranhão. Dessa vez explodiram três bancos de uma vez só em Tutóia. Isso só comprova que a segurança do estado é ineficaz, já são mais de 20 casos só em 2019”, enfatizou.

De acordo com o Sindicato dos Bancários do Maranhão, 30 agências bancárias já foram alvo de bandidos em 2019. Em 2018 foram 21 as explosões de bancos.

Além das explosões, também houve registros de tentativas de assaltos e de explosões. Em praticamente todos os casos, cidadãos e/ou funcionários de bancos foram feitos reféns.

Reportagem de O Estado

MP vai investigar denúncia de espionagem na SSP

Bardal e Ney Anderson acusam Jefferson Portela de espionagem

O Ministério Público do Maranhão acatou uma notícia de fato protocolada pelo deputado federal Edilázio Júnior (PSD) e vai investigar a denúncia de espionagem na estrutura da Secretaria de Estado de Segurança Pública do estado.

A denúncia tomou por base depoimento à Justiça do delegado Tiago Bardal e a manifestação pública do delegado Ney Anderson – ambos atuavam na cúpula da SSP -, e que tem trata de grampos ilegais contra desembargadores do Tribunal de Justiça, seus filhos e assessores, além de lideranças políticas de oposição ao governador Flávio Dino (PCdoB).

O MP decidiu ouvir amanhã, em audiência, o delegado Tiago Bardal.

“Apurar possível investigação indevida de agentes detentores de foro especial por quem não detém tal autorização”, destaca trecho do documento publicado com exclusividade pelo jornalista Marco D’Eça.

O documento é assinado pelos promotores Adélia Maria Souza Rodrigues Morais, Ilana Franco Boueres Laender Morais, Marcos Valentim Pinheiro Paixão e Geraulides Mendonça Castro, todos assessores especiais da PGJ.

Thiago Bardal é preso após prestar depoimento à polícia

O delegado de polícia Thiago Bardal, exonerado na semana passada do comando da Superintendência de Investigações Criminais (Seic), foi preso hoje.

A prisão foi decretada pelo juiz Ronaldo Maciel, da 1ª Vara Criminal de São Luís.

Suspeito de participar de uma organização especializada em contrabando, Thiago Bardal foi preso logo após prestar depoimento na Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP).

O advogado dele, Ricardo Belo, que o acompanhava no Quebra Ponte durante operação policial, também foi preso.

Bardal já foi encaminhado para a Decop. A defesa dele vai recorrer da decisão.

Março termina com média de 2 homicídios por dia na Ilha

O mês de março, encerrado na última sexta-feira, registrou uma média de 2 homicídios por dia na Região Metropolitana de São Luís. É o que apontam os dados da Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP).

Balanço apresentado hoje por O Estado, mostra que em 31 dias do mês de março, 63 mortes violentas foram registradas nos quatro municípios que integram a Ilha – São Luís, São José de Ribamar, Paço do Lumiar e Raposa.

Das 63 mortes registradas, o Cipos classificou 52 como homicídios dolosos. Quatro assassinatos foram ocasionados por lesões corporais seguidas de morte; outros quatro foram apontados como latrocínios e três mortes aconteceram em confronto com a polícia.

O relatório também aponta que a maior parte dos homicídios foram ocasionados por armas de fogo (53). As armas brancas provocaram a morte de seis pessoas, enquanto que em outros quatro casos as mortes foram causadas por outros meios.

A violência, assusta.

Texto do blog de Jorge Aragão

Prefeito de Santa Inês vai para Pedrinhas, afirma delegado

Prefeito chegou à SSP conduzido por uma equipe do GTA

Prefeito chegou à SSP conduzido por uma equipe do GTA

O delegado de Polícia Civil, Rafael Reis, titular da Delegacia Regional de Santa Inês, afirmou que o prefeito do município, Ribamar Alves (PSB), será conduzido para o Complexo Penitenciário de Pedrinhas.

Reis confirmou a prisão do prefeito por estupro. “O fato se deu entre 21h e 23h de ontem. A vítima que tem 18 anos e é oriunda do estado do Paraná foi até a casa do prefeito vender livros, e ele a convidou para um passeio com a desculpa de que iria comprar os livros após o passeio. Dentro do carro ele abordou ela. Ele entrou direto em um motel e lá apesar de não ter sido agredida foi caracterizado o estupro. Ele vai ser enquadrado no Artigo 213 [estupro] e ainda hoje ele vai direto para uma unidade da Sejap em Pedrinhas”, afirmou.

O secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela (PCdoB), também falou sobre a prisão do prefeito. “Ele será encaminhado para a unidade da SEJAP em Pedrinhas”, declarou.

Ribamar Alves nega o crime e afirma que houve sexo consensual com a jovem, vendedora de livros de uma editora.

Barrigada governamental

André Gossain rebateu as informações da SSP

André Gossain rebateu as informações da SSP

Uma “barrigada” – informação falsa, no jargão jornalístico – da Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) do Maranhão acabou por abrir uma crise entre a pasta, a Polícia Militar e a Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic), da Polícia Civil.

No domingo, 18, o Sistema de Segurança do Estado disparou a informação de que a Polícia Militar havia estourado, no São Cristóvão, a festa de uma facção com atuação na capital. Mais de 160 pessoas foram encaminhadas para a Seic.

Devidamente “enquadradas” durante toda a madrugada, descobriu­se que nenhum dos supostos integrantes da organização criminosa tinha, sequer, passagem pela polícia.

Além da presença de menores e do consumo de drogas, nada mais grave foi flagrado, o que abriu a primeira crise: a Polícia Civil precisou dispor de delegados, investigadores e escrivães durante toda a madrugada, o que teria obrigado a instituição a conceder­-lhes folga na segunda­-feira, desfalcando delegacias durante todo o dia.

Jefferson Portela recebeu pedido de informações de Gossain sobre nota oficial

Jefferson Portela recebeu pedido de informações de Gossain sobre nota oficial

Mas eis que uma nota oficial da SSP conseguiu piorar ainda mais as coisas. Pela manhã, a secretaria disse, “por meio da Seic”, que a operação da PM havia sido um “equívoco” e que o delegado André Gossain, superintendente de investigações, concederia uma entrevista coletiva para esclarecer tudo.

Qual não foi a surpresa da imprensa, contudo, quando Gossain, além de não explicar nada, ainda disse que a Seic nunca considerou “equívoco” a ação da PM. E mais: que não partiu da Seic a informação repassada pela SSP.

Para completar, ainda vazou o conteúdo de um ofício por meio do qual o titular da Seic dá uma verdadeira enquadrada no secretário de Segurança Jefferson Portela. No documento, André Gossain reforça que a Seic não classificou de equivocada a ação da PM e cobra do secretário a identificação do autor da nota que cita a Superintendência.

Que lambança.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Dados do futuro

Flávio Dino é governador do Maranhão

Flávio Dino é governador do Maranhão

O novo site da Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP) movimentou ontem o Twitter, uma das redes sociais mais usadas pelo governador Flávio Dino e seus auxiliares.

No entanto, não foram os membros do governo que decidiram tuitar o dia todo. Erros no novo site da SSP levaram vários usuários a denunciar a existência de números fictícios na área destinada aos dados sobre a violência no Maranhão.

Na repaginação do site, foram colocados números de latrocínios no interior do estado nos meses de setembro, outubro, novembro e dezembro. Dados futurísticos? Ou só mais números que serão usados futuramente para mostrar a “redução da violência no Maranhão”?

Um dos mais críticos ao novo site foi o professor da Universidade Federal do Maranhão, Wagner Cabral. Ele, que é militante da área de direitos humanos, não somente criticou e satirizou os dados inexistentes como também chamou a atenção para as dificuldades de se conseguir informações nesse novo site da SSP.

“E a SSP ‘mudou a metodologia’ apenas para manter a maquiagem e dificultar o acesso aos dados”, postou na rede social o professor.

Além dele, centenas de usuários criticaram a maquiagem dos dados, prova de que nem tudo no governo da transparência é tão transparente assim.

Detectado o deslize, o governo decidiu corrigir os números de latrocínios dos quatro últimos meses do ano. Na verdade, eles somente retiraram os dados fictícios. Nada de esclarecimentos ou pedido de desculpas pelo equívoco.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Sousa Neto denunciará Jefferson Portela à Procuradoria Geral de Justiça

Sousa Neto afirmou que secretário terá de dar explicações ao MP

Sousa Neto afirmou que secretário terá de dar explicações ao MP

O deputado estadual Sousa Neto (PTN) fará uma representação à Procuradoria Geral de Justiça do Estado do Maranhão contra o secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela, por comportamento e conduta incompatível com o cargo público que ocupa, principalmente pela postura que tem adotado ao se manifestar contra aqueles que não compartilham das convicções político-partidárias dele e do grupo político que atualmente governa o Maranhão. Excesso e abuso de poder e improbidade administrativa foram os supostos crimes apontados na representação.

Exemplo recente foi a manifestação de Jefferson Portela nas redes sociais a respeito do discurso de vários deputados sobre a segurança, ofendendo seus adversários. “Política partidária não se faz em secretaria de Estado. Já que esta Casa não tem o seu respeito, o secretário Jefferson Portela vai ter que se manifestar perante o Ministério Público”, analisou Sousa Neto.

Ausência – Em seu discurso na tribuna da Assembleia, nesta quinta-feira (18), Sousa Neto falou sobre a Audiência Pública realizada na tarde de quarta-feira (17) para debater a questão da saída temporária de presos, que não contou com a participação de um único representante da secretaria estadual de Segurança “Convidados, o Ministério Público, a sociedade civil e a imprensa se fizeram presentes. Mas num momento tão delicado, em que a gente discute a segurança pública, um tema tão importante, não veio ninguém do governo estadual. Isso só demonstra a real importância que eles têm dado a situação alarmante em que vivemos”, concluiu.

Estadão: Flávio Dino contrata segurança para a SSP

Segurança da segurança

Do blog da Sonia Racy

Flávio Dino, governador do Maranhão, contratou empresa de segurança privada para proteger alguns órgãos do governo, entre eles… a própria Secretaria de Segurança Pública. De acordo com o Portal da Transparência, a Potencial Segurança e Vigilância já recebeu R$ 4,6 milhões para prestar serviços ao governo do PC do B.

No total, foram empenhados mais de R$ 7 milhões.

Procurada, a assessoria do Estado do Maranhão confirmou a contratação não só de uma, mas de duas empresas privadas de vigilância para prestarem serviço na sede da Secretaria da Segurança. Justificativa? Citou decretos federal e estadual que “preveem o serviço de vigilância terceirizada a todo e qualquer órgão público”.

Disse ainda que o objetivo da pasta é “garantir o policiamento nas ruas, priorizando, portanto, que a atividade do agente policial seja desempenhada em operações de combate à criminalidade, em favor da comunidade”.

Governo quer limitar acesso de jornalistas a informações na SSP

censura-768x1024O delegado assistente da Superintendência de Polícia Civil da Capital (SPCC), Alessandro de Castro, assinou um ofício distribuído a todos os delegados de polícia da capital, que estabelece censura aos veículos de comunicação no estado.

O documento destaca que todas as prisões que mereçam “atenção da imprensa” somente poderão ser repassadas à imprensa por meio da assessoria de comunicação da Secretaria de Segurança Pública. Ou seja, o documento veta qualquer entrevista de autoridade policial aos veículos de comunicação.

Impede por consequência que os profissionais da imprensa desempenhem a sua função com liberdade e de forma democrática.

O Governo do Estado faz, na verdade, é tentar limitar o trabalho da imprensa. Essa é a mudança…