“Delegado que nunca soube o que é ser delegado”, diz Tatá Milhomem sobre autor da PEC 37, Lourival Mendes

Tatá Milhomem criticou Lourival Mendes

Tatá Milhomem criticou Lourival Mendes

O deputado estadual Tatá Milhomem (PSD) resolveu falar tudo o que pensa sobre a PEC 37 e o seu autor, o deputado federal Lourival Mendes (PTdoB).

De uma tacada só, ele questionou a carreira policial do parlamentar – que foi delegado de Polícia Civil, criticou o deputado Manoel Ribeiro, que é favorável a PEC, e ainda deixou Hélio Soares numa verdadeira saia justa, enquanto o colega utilizava a tribuna no grande expediente.

Tudo porque, logo após votar e aprovar Moção contra a PEC 37, Hélio disse da tribuna, que ainda não tem posição definida em relação ao tema. Foi quando Tata pediu o aparte e não mediu palavras contra Hélio, Ribeiro e Lourival Mendes.

“Isso é falta de decoro parlamentar, V. Ex.ª acaba de votar uma Moção contra a PEC e vai para aí negar a PEC, isso é falta de decoro, deputado, não pode ser assim, é por isso que os jovens estão na rua, eles não acreditam nas palavras de nós parlamentares, de nós políticos, o senhor é a favor ou contra a PEC? O senhor votou nesse momento contra a PEC e já foi aí dizer que não tem, que não sabe, coisa e tal, coisa e lousa, porque o deputado Manoel Ribeiro, contraventor contumaz, é contra a PEC, apresentada por um delegado que nunca soube que é ser delegado. O deputado Manoel Ribeiro sabe muito bem quem é o delegado, que quando foi para apurar os crimes aqui existentes contra o crime organizado, ele foi chorando para o deputado Manoel Ribeiro para retirar o nome porque ele não podia e este homem agora nos impõe, quer nos trazer uma PEC para desmoralizar o Ministério Público”, desabafou Tatá.

Lourival vai reagir às declarações?

Estagnado, PSD deve sofrer defecções

Alexandre Almeida pode ser o primeiro a deixar a sigla

Alexandre Almeida pode ser o primeiro a deixar a sigla

Criado há pouco mais de um ano e com lideranças já consolidadas no cenário político local, o Partido Social Democrático (PSD) parece ter chegado a um estágio de ostracismo no Maranhão. Depois de deixar o Bloco Parlamentar Pelo Maranhão na Assembleia Legislativa – e abdicar inclusive da liderança – para formar uma bancada independente no Parlamento, a legenda estagnou. Alguns membros pretendem deixar a sigla, a exemplo de Alexandre Almeida (PSD), insatisfeito com os rumos do partido.

O que mais incomoda a militância do PSD no Maranhão é a falta de

Tatá Milhomem diz que só os fortes ficam

Tatá Milhomem diz que só os fortes ficam

diálogo e projeto político partidário. Não houve em 2013, a realização de nenhum seminário, plenária ou encontro regional da legenda, a exemplo de outros partidos que se mobilizam desde janeiro como o PMDB, PV, PSDB, PMN, PSL, PDT, PSB, PCdoB e PDT. A direção da legenda não conversou com os seus membros sobre a linha que deve ser adotada para 2014 e a constatação é de que falta um rumo definido. Outra reclamação recorrente no partido é a ausência da presidência nacional no Maranhão.

O blog apurou que Alexandre Almeida, um dos mais insatisfeitos na legenda, deve deixar o partido. O parlamentar, no entanto, evitou entrar em polêmica. “Acredito que o momento é de pensar exclusivamente no meu mandato parlamentar, no trabalho que desenvolvo dentro da Assembleia. Prefiro deixar essa questão da permanência no PSD para o futuro”, afirmou.

Sob o argumento de estar alheio à insatisfação de membros do partido, o deputado Carlos Alberto Milhomem, que preside a sigla, não fala em crise. “Ninguém jamais se manifestou dentro do partido, não tenho conhecimento dessa insatisfação. Mas, se há pessoas que queiram sair, não tem problema, até porque nós precisamos de homens fortes para avançar com o partido. Os fracos que se vão”, disse.

O parlamentar afirmou que a legenda tem sim projeto político e partidário, e segue orientação nacional em relação a sua atuação no estado. “Somos da base da governadora Roseana Sarney (PMDB) e apesar de ainda não termos realizado um encontro para discutir 2014, a linha segue a mesma. O partido continua firme ao lado da governadora, no grupo que sempre pertenceu. Não há hipótese de outra conjectura”, finalizou.

Mais

O blog conversou com o secretário de estado da Fazenda, Cláudio Trinchão e ele afirmou que pode sim, comandar a legenda no Maranhão. Disse ter sido convidado e revelou que o momento é de diálogo.