Dois anos após licitação Edivaldo não consegue assegurar melhorias no transporte público de São Luís

Terminal de passageiros do São Cristóvão

Depois de ter realizado uma licitação polêmica e entregue o sistema de transporte público da capital a empresas e consórcios, além de ter determinado aumentos seguidos da tarifa cobrada ao usuário de ônibus, o prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) não conseguiu efetivar as melhorias prometidas no primeiro mandato.

Ônibus velhos e sujos, terminais de integração depredados e precariedade nos serviços prestados são alguns dos problemas enfrentados diariamente por aquelas pessoas que precisam utilizar os ônibus do sistema de transporte público de São Luís.

Edivaldo prometeu GPS nas paradas e internet gratuita nos ônibus, durante a campanha à reeleição em 2016. Também prometeu melhorias na frota e cobrança às empresas.

Mas, o que se vê no momento é um prefeito rendido e submisso às concessionárias do setor.

Além de não garantir as melhorias prometidas, Edivaldo ainda penaliza a população com a cobrança elevada das passagens de ônibus. E os reajustes, segundo o próprio, são justos.

É completamente ineficiente o serviço prestado no setor do transporte público.

Mas, tudo bem, para o prefeito o que importa é a Feirinha…

Reage Edivaldo

Tumulto e falta de organização continua nos terminais de integração da capital

Tumulto e falta de organização continua nos terminais de integração da capital

Incompetente na administração do transporte público em São Luís, a administração de Edivaldo Holanda Júnior (PTC) está agora pressionada a dar uma resposta à população quanto a frota de ônibus.

Edivaldo recebeu a Prefeitura com  licitação das linhas de ônibus já iniciada pelo ex-prefeito João Castelo (PSDB), mas por compromissos de campanha com empresários, acabou engavetando o edital e todo o processo de democratização das linhas da capital.

Mas, esqueceu que o Município, também na gestão Castelo, havia assinado um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) comprometendo-se em melhorar o serviço à população.

Agora, sem saída diante da pressão do Ministério Público e da Justiça, que pode autorizar uma intervenção na Secretaria Municipal de Trânsito e Transporte (SMTT) justamente para conduzir a licitação, ele parece que deve ceder e melhorar a o transporte público.

O prefeito da capital tem exatos 20 dias para divulgar o edital da licitação para a contratação das empresas que vão explorar o serviço de transporte de passageiros. Os 20 dias foram estipulados numa determinação judicial, após ação do MP (LEIA SOBRE AQUI).

Desde que assumiu, Edivaldo pouco ou nada fez pelo transporte de massa e pela mobilidade urbana na capital. Além de manter ônibus velhos – com mais de 20 anos de circulação -, ele aumentou a tarifa para o usuário e permitiu que duas longas greves se estendessem na capital [sem dialogar com empresários e trabalhadores], o que provocou inúmeros transtornos para a população.

Também permite que os táxi-lotação, os “piratas”, com destino do Centro à área Itaqui-Bacanga, funcionem normalmente, o que acaba provocando prejuízos gigantescos aos taxistas. Não colocou o VLT para funcionar, como prometeu na campanha de 2012 e acabou com a “domingueira”, que cortava pela metade o preço da passagem de ônibus nos dias de domingo. Tudo para beneficiar empresários.

Espera-se agora que Edivaldo assuma de uma vez por todas um compromisso sério na área do transporte público, uma das mais desgastadas de sua gestão – até o momento já foram quatro os secretários nomeados -, e providencie a licitação das linhas de ônibus. E que seja uma licitação transparente e justa…

O motorista que faz a diferença

Imagem retirada do perfil no facebook de Daniel Menezes, o "criativo"

Imagem retirada do perfil no facebook de Daniel Meneses, o “criativo”

Circula nas redes sociais imagens de um gesto que deve ser exaltado com um exemplo de profissionalismo, humanismo e solidariedade.

O presidente de uma distribuidora especializada no mercado de Tecnologia da Informação, Daniel Meneses, “flagrou” o exato momento em que um motorista da empresa Viação Maranhense, que atende usuários do Terminal de Integração Cohab/Cohatrac, parou o ônibus e desceu para oferecer ajuda a um senhor de idade, deficiente físico, que aguardava o transporte em uma parada de ônibus de São Luís.

Como o veículo não estava devidamente equipado com o elevador para cadeirantes, ele pediu desculpas ao usuário e se dispôs a ajuda-lo com os degraus do ônibus.

Não se sabe ao certo qual o final desta história, se o senhor de idade embarcou ou não no veículo, mas o exemplo e a mensagem que ficam da imagem acima são gratificantes.

Exemplo que deve ser seguido pelos demais profissionais do sistema de transporte público da capital…

Subsídio milionário a empresas de ônibus x serviço prestado à população

Usuários enfrentam drama para ter acesso a ônibus no Terminal do São Cristóvão

Usuários enfrentam drama para ter acesso a ônibus no Terminal do São Cristóvão

Já foram pelo menos duas ações de benefício direto aos proprietários de empresas de transporte de passageiros da capital. No início do ano, o SET alegou um déficit de mais de R$ 8 milhões nos últimos e a impossibilidade de reajustar o salários dos rodoviários. Com isso, o prefeito Edivaldo Júnior (PTC) autorizou o pagamento de um subsídio de R$ 6 milhões dividido em três parcelas aos empresários.

Em setembro outra decisão que além de surpreendente, beira a ilegalidade. Edivaldo determinou, sem sequer ouvir a Câmara Municipal ou haver uma Lei que institui o subsídio tarifário, adicionar mais R$ 2 milhões mensais nas contas do SET, tendo como contrapartida a melhoria do serviço na capital.

E o que aconteceu de lá para cá? O Consórcio São Cristóvão, formado por empresas de ônibus que atendem usuários de linhas que têm acesso ao Terminal do São Cristóvão, abandonou três linhas da zona rural [reveja aqui], obrigando a Prefeitura de São Luís a contratar outras empresas, em caráter emergencial, para fazer o serviço.

O número de ônibus no sistema não parece ter aumentado e os serviços ainda são precários. Por outro lado, não há sequer prazo para o início da licitação das linhas de ônibus ou para a implantação do sistema Bilhete Único, duas ações prometidas durante a campanha.

Resumo: Edivaldo comanda uma administração que até o momento não conseguiu reverter o caos para a população no sistema de transporte público, mas que em contrapartida já beneficiou [pelo menos na matemática simples] empresários com R$ 10 milhões adicionais. Essa é a mudança.