Edilázio repudia atos de vandalismo em manifestações no DF

 

O deputado estadual Edilázio Júnior (PV) manifestou repúdio hoje, no Legislativo Estadual, aos atos de vandalismo praticados por manifestantes ontem contra o patrimônio público em Brasília.

Durante os protestos, houve depredação da Esplanada dos Ministérios, prédios, paradas de ônibus, bancas, orelhões e refletores destruídos com uso de pedras e fogo.

“Ontem o que nós vimos em Brasília pelos meios de comunicação foram imagens de baderna e de vandalismo. E aí nada contra se manifestar, o que nós não podemos ser favoráveis é à depredação do nosso patrimônio”, disse.

Edilázio lembrou que no ano passado, durante as manifestações em favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), não havia registro de depredação do patrimônio público.

“Nós acompanhamos as manifestações contra a presidente Dilma pedindo ‘Fora Dilma’. Nós vimos 1 milhão de pessoas na [avenida] Paulista, da mesma forma em Brasília também mais de 300 mil pessoas, e não vimos um empurra-empurra, não houve um quebra-quebra, não houve um spray de pimenta, porque as pessoas que saíram de casa para se manifestar contra o PT eram pessoas de bem, famílias. Quantos de nós vimos crianças, idosos naquelas manifestações. E ontem o que nós vimos eram só mascarados, quebraram todas as paradas de ônibus, atiravam pau e pedra contra a polícia. Tocaram fogo em três Ministérios, quebraram os computadores. E tudo aquilo é patrimônio nosso, é patrimônio do país”, completou.

O parlamentar classificou como correta a decisão do presidente Michel Temer (PMDB) de convocar as Forças Armadas para fazer a contenção dos atos de vandalismo e repudiou a atuação de militantes de esquerda nos movimentos.

“Quando se pediu ali o auxílio do Exército, não foi para querer reprimir uma manifestação não, mas para proteger o patrimônio. O Exército também esteve na Copa do Mundo e nas Olímpiadas para por ordem e garantir a segurança do brasileiro. Fica o meu repúdio àqueles vândalos que ontem estavam ali, foram apenas para fazer baderna, meia dúzia de desocupados que estiveram fazendo de Brasília um campo de guerra. E aí eu pergunto: por que essas imagens passaram no mundo todo ontem. Qual o investidor que vai ter coragem de vir para este país com essa insegurança que tem da esquerda? Porque vocês podem ver que não tem uma bandeira do Brasil, é só bandeira vermelha. Então, fica o meu repúdio e a minha solidariedade aos brasileiros”, finalizou.

Tropical Shopping, Mateus, Correios e escolas fecham no Renascença

Empresários e gestores dos estabelecimentos temem atos de vandalismos com manifestação programada para o local; Assembleia Legislativa pode ser alvo de protestos

A administração do Tropical Shopping informou há pouco ao blog que fechará as portas a partir das 15h. O motivo é tentar evitar transtornos a clientes e lojistas com a manifestação que tem início programado [concentração] em frente ao local.

Os manifestantes já anunciaram nas redes sociais que pretendem fechar a Avenida Colares Moreira e seguir a pé no sentido a Ponte José Sarney (Ponte do São Francisco) e repetir o que ocorreu sábado. Alguns defendem que o evento siga no sentido à Assembleia Legislativa do Maranhão.

O protesto, chamado de #SAOLUISACORDOU ou o terceiro ato, tem como foco o combate à corrupção, a aprovação da PEC 37 e melhorias na saúde pública da capital.

Além do Tropical Shopping, – a escola Crescimento, o Ceuma e o Supermercado Mateus não funcionarão, bem como bancos e a agência dos Correios do Renascença.

A Polícia Militar enviará patrulhas ao local. Caso haja depredação e saques aos estabelecimentos comerciais, a Tropa de Choque vai agir.