Justiça Eleitoral exclui Weverton de ação da “Farra dos Capelães”

O senador Weverton Rocha (PDT) está oficialmente fora da Ação de Investigação Eleitoral (Aije) protocolada no Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão (TRE-MA) por conta da chamada “farra de capelães”. A informação foi publicada pelo jornalista Gilberto Léda.

O TRE encerrou o julgamento de embargos de declaração do pedetista e confirmou por maioria a decisão que já havia sido formada no início da apreciação da causa.

Com isso, seguem como réus no processo apenas o governador Flávio Dino (PCdoB), o vice-governador, Carlos Brandão (PRB), e o secretário de Estado da Segurança Pública, Jefferson Portela.

STF remete processo contra Weverton à justiça criminal do Maranhão

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), nesta terça-feira (14), declinou da competência para julgar processo crime instaurado contra o senador Weverton Rocha (PDT-MA) e determinou a remessa do caso para a 4ª Vara Criminal da Comarca de São Luís (MA), pois os fatos delituosos de que é acusado não ocorreram durante o mandato ou em razão dele. A acusação contra o parlamentar está relacionada a sua atuação como secretário de Estado de Esporte e Juventude.

Em março de 2017, o colegiado recebeu a denúncia contra Weverton, formulada no Inquérito (INQ) 3621, pelos crimes de dispensa indevida de licitação, modificação ilegal de contrato administrativo, previstos nos artigos 89 e 92 da Lei 8.666/1993 (Lei das Licitações) e peculato, na modalidade desvio, previsto no artigo 312, parágrafo 1º, do Código Penal (CP).

Após o recebimento da denúncia sobreveio o julgamento no Plenário no qual ficou decidido que a competência por prerrogativa de foro no STF dos parlamentares federais somente se aplica nos casos em que os delitos ocorram durante o exercício do cargo e em relação às funções desempenhadas. Com esse novo posicionamento, a Turma decidiu pela baixa de instância dos autos do processo contra o senador.

Na peça acusatória, o Ministério Público do Maranhão (MP-MA) narra que Weverton teria incorrido em ilícitos relativos à dispensa indevida de licitação na contratação de uma empresa, em 2008, para a realização de obras emergenciais no ginásio esportivo Costa Rodrigues, em São Luís, e celebração posterior de termo aditivo para reforma e ampliação das instalações. Ainda segundo a acusação, o proprietário da empresa contratada teria, com a colaboração do então secretário, desviado valores auferidos pelo contrato em benefício próprio, configurando o crime de peculato.

Ascom STF

As movimentações de Weverton rumo a disputa para o Governo do Estado

As movimentações*

Como já vinha sendo falado nos bastidores, o presidente da Assembleia Legislativa, Othelino Neto (PCdoB), vai ter pela frente mais três anos e meio no comando da Casa. Além de mais um ano e meio do atual mandato, o comunista conseguiu mais dois em eleição consensual realizada ontem, em sessão extraordinária.

Apesar de Othelino falar que sua reeleição é fruto de união do parlamento, entendimento consensual entre os deputados e trabalho em prol do Maranhão, pesa na recondução do presidente da Assembleia uma disputa interna no grupo do governo Flávio Dino (PCdoB) que passa pelas eleições de 2020 (em São Luís, principalmente) e também pelo pleito de 2022.

E nessa disputa estão nomes como Neto Evangelista (DEM), Rubens Júnior (PCdoB), Osmar Filho (PDT), o próprio Othelino Neto e os espaços de poder em que cada um vem atuando e conquistando. Dos citados, todos fazem parte de um subgrupo governista: o de Weverton Rocha.

Do outro lado da disputa tem o vice-governador, Carlos Brandão (PRB), que já afirmou e reafirmou que disputará o Governo do Estado em 2022.

Pelos movimentos e articulações, por enquanto, o senador Weverton Rocha parece ter saído mais à frente. Assembleia, Câmara Municipal de São Luís, Prefeitura da capital e Famem são os espaços que o pedetista costurou e conquistou colocando seus aliados. Brandão, por enquanto, parece ter força no Palácio dos Leões e assim tenta ampliar para fora dos muros.

O fato é que 2020 será uma prévia do que deverá ocorrer dois anos depois.

*Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Weverton constrange Flávio Dino ao impor vitória na Famem

O senador eleito Weverton Rocha (PDT) deixou constrangido o governador Flávio Dino (PCdoB) após consolidar grupo político e alcançar a vitória na eleição da Federação dos Municípios do Maranhão (Famem).

Acusado de ter aliciado prefeitos pelo então presidente da entidade, Cleomar Tema (PSB) – que buscava a reeleição -, Weverton atuou como o principal articulador do presidente eleito, Erlanio Xavier.

Para diminuir o desgaste e o constrangimento, Flávio Dino se reuniu ontem com os dois candidatos e chegou a uma espécie de “conciliação”.

Tema decidiu abrir mão da disputa para ocupar o cargo figurativo de “presidente de honra” da federação, e Erlanio ficou com o caminho livre para eleger-se como candidato único no pleito.

Dino, que havia afirmado anteriormente que não se envolveria na disputa, perdeu a eleição para Weverton.

E o pedetista, com um grupo político cada vez maior, dentro do ninho comunista, pavimenta o seu caminho rumo ao Palácio dos Leões.

Ele será candidato em 2022…

Flávio Dino e Weverton Rocha num jogo de faz de conta na Famem

O primeiro afirmou num recente evento que o seu grupo político dispõe de pelo menos meia dúzia de candidatos ao Governo para a eleição de 2020 e afirmou que o momento, contudo, não é para se antecipar qualquer disputa.

Agora, prega consenso para a disputa da Famem.

Foi um recado direto ao segundo, que articula-se nos bastidores para ser “ungido” pelo grupo político antecipadamente para o Executivo.

O segundo, por sua vez, movimenta-se junto ao um grupo de prefeitos para a eleição da Famem, com o objetivo de derrubar do comando da entidade, o prefeito de Tuntum, Cleomar Tema.

Ele, aliás, se propôs ontem a atacar a imprensa que tratou do assunto e de sua articulação para o pleito na entidade municipalista.

Flávio Dino sabe dos interesses e dos objetivos de Weverton, mas também tem a noção exata de que esse não é o momento para  colocá-lo no grupo como o seu sucessor. É cedo ainda.

Weverton, por sua vez, sabe que não tem, pelo menos no momento, a “benção” de Flávio Dino para se cacifar como o nome de sucessão no grupo, finge que não tem nada com a eleição da Famem e joga a culpa na imprensa.

Um jogo de faz de conta. Só teatro…

Eliziane e Weverton eleitos para o Senado

Os deputados federais Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PPS) foram eleitos para o Senado da República.

O pedetista obteve mais de 1,8 milhão de votos. Votação mais expressiva do que a registrada pelo governador Flávio Dino (PCdoB).

Sarney Filho (PV) ficou na terceira posição e o senador Edison Lobão (MDB) foi o quarto colocado.

Nos bastidores já fala-se em Weverton Rocha para o Governo em 2022. Eu hein…

Carioca assume autoria de material contra Weverton e Eliziane Gama

O ex-vereador Paulo Roberto Pinto, o Carioca, admitiu hoje que foi ele quem mandou produzir material impresso que aponta denúncias contra os candidatos ao Senado Eliziane Gama (PPS) e Weverton Rocha (PDT).

O material foi apreendido na manhã de hoje pela Polícia Civil após denúncia de aliados dos candidatos.

Carioca afirma que os panfletos foram produzidos de forma oficial, com indicação de CNPJ da campanha e apresentação da nota fiscal.

“Paguei pelo serviço, tenho nota fiscal, o material tem CNPJ, tudo como manda a lei”, disse, por telefone, ao Blog do Gilberto Léda.

Carioca justificou o material, com a explicação de que se trata de uma compilação de informações que devem ser de conhecimento do eleitorado maranhense. “Eles não têm condições de representar o Maranhão no Senado”, completou.

A confirmação da autoria do material joga por terra a tese comunista de que se tratava de propaganda apócrifa, numa tentativa de “policializar” a reta final da campanha eleitoral no Maranhão.

Com informações de Gilberto Léda e edição do blog

Adversários perdidos com o posicionamento firme de Alexandre Almeida

Desde o início da semana, quando resolveu atacar o candidato ao Senado Edison Lobão (MDB), o deputado estadual Alexandre Almeida (PSDB), candidato ao Senado na chapa de Roberto Rocha (PSDB), tem sido alvo de suposições sobre a motivação de seu posicionamento forte no programa eleitoral.

Ontem ele resolveu “partir para cima” do candidato Weverton Rocha (PDT), da chapa de Flávio Dino (PCdoB).

Para aliados de Flávio Dino, a exemplo do deputado estadual Rogério Cafeteira (DEM), nas entrelinhas, o posicionamento de Almeida pode ter sido articulado para beneficiar o também candidato ao Senado, Sarney Filho (PV).

Cafeteira utilizou o seu perfil no twitter para levantar a polêmica: “Alexandre Almeida já alfinetou Weverton e Lobão na TV, será que fará o mesmo com Sarney Filho?”, questionou.

Já Joaquim Haickel, que já foi aliado do grupo Sarney, flertou com Flávio Dino logo após a eleição de 2014 e agora retorna ao berço, sugere intervenção de Dino.

“Vocês devem estar se perguntando, porque Flávio Dino patrocinaria o ataque de Alexandre Almeida a Weverton? Para semear o caos no grupo Sarney, esfacelar o grupo adversário e vencer a eleição no primeiro turno! Se precisar sacrificar um companheiro para isto, o comunista não pensaria duas vezes”, disse.

Estão literalmente perdidos em suas próprias convicções e análises.

Vamos aguardar os próximos programas do candidato…

“Velho Maranhão”: programa de Alexandre Almeida ataca Weverton

Depois de atacar o candidato à reeleição Edison Lobão (MDB), o deputado estadual Alexandre Almeida (PSDB), candidato ao Senado, tornou Weverton Rocha (PDT) como alvo.

O programa do tucano que foi ao ar como inserção tratou o pedetista como herdeiro da “velha política” do Maranhão.

A inserção de Almeida afirma que Weverton Rocha responde a processo por corrupção. Na peça a uma provável encenação entre dois supostos eleitores do pedetistas que decidem mudar de voto após terem sido informados dos processos.

Suplência de Eliziane Gama pode sobrar para o PT

É cada desagradável a situação do Partido dos Trabalhadores (PT) no Maranhão, para a disputa das eleições 2018.

A legenda – que não vai ficar com nenhuma vaga da chapa majoritária do governador Flávio Dino (PCdoB) -, terá de correr atrás de uma suplência de senador da pré-candidata Eliziane Gama (PPS).

Isso porque as duas suplências da chapa do outro pré-candidato comunista, Weverton Rocha (PDT), já estão definidas.

Tratam-se de Roberth Bringel e Camila Holanda, como antecipou hoje com exclusividade, o jornalista Jorge Aragão [leia aqui].

Ocupar espaços na suplência de Eliziane Gama, contudo, deve deixar constrangidos os petistas.

Gama votou pela admissibilidade do processo de impeachment da ex-presidente da República, Dilma Rousseff, na ocasião das discussões na Câmara Federal.

Depois disso, foi rotulada de “golpista” pelos militantes de esquerda.

Como esse mundo é pequeno, é justamente Gama quem pode dar abrigo agora ao já pequenino PT.

Eu hein…