Monteiro e Zé Carlos disputam o comando do PT no Maranhão

Chapa de Monteiro eleita no último pleito; na eleição deste ano ele apoia Zé Inácio

O diretório estadual do Partido dos Trabalhadores (PT) no Maranhão encerra hoje o prazo de inscrição de chapas para a eleição do comando estadual e de todos os diretórios municipais da sigla.

A direção nacional do Partido dos Trabalhadores (PT) decidiu antecipar de outubro para junho deste ano – entre os dias 1º e 3 – a realização do VI Congresso Nacional da legenda, o que aumentou a correria para a articulações de candidaturas.

Por conta da mudança no calendário, ficou antecipado, também, o Processo de Eleições Diretas (PED) nos municípios e nos estados – dias 9 de abril e de 5 a 7 de maio, respectivamente.

A eleição marcará o início do processo de reconstrução da legenda no estado, que ficou com a imagem arranhada após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff e o indiciamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pela Polícia Federal (PF), e também reposicionará a legenda para as eleições 2018.

Até a última sexta-feira nenhuma chapa havia se inscrito para a eleição do diretório estadual. Dois grupos, contudo, medirão forças na eleição.

O deputado estadual Zé Inácio será o candidato do grupo liderado pelo atual presidente da legenda, Raimundo Monteiro, e Augusto Lobato disputará a presidência da sigla com o apoio do deputado federal Zé Carlos.

São esses dois grupos que se enfrentarão, também, na primeira grande eleição, a municipal. No caso de São Luís, o maior colégio eleitoral do Maranhão, devem ser candidatos o atual presidente, Fernando Magalhães – com apoio de Monteiro -, o vereador Honorato Fernandes – com apoio de Zé Carlos -, e o militante Carlito Reis.

Reconstrução – O atual presidente estadual, Raimundo Monteiro, vê o PED como uma oportunidade de “reconstrução” do PT.

“O partido passa por um processo de reconstrução e fortalecimento em todo o país. A eleição será um momento importante, um marco para o futuro do PT”, destacou.

Segundo ele, a partir do processo eleitoral os petistas devem reforçar a campanha pró-Lula para a Presidência da República em 2018. Monteiro avalia que o Brasil pode ser convencido de que com o ex-presidente pode haver desenvolvimento.

“Estamos confiantes de que o presidente Lula ressurgirá com força nacional em 2018 e estaremos prontos para apoiá-lo aqui no Maranhão. O Brasil manchou parte da história com o golpe contra a presidente Dilma e precisa retomar o caminho que vinha sendo trilhado, de desenvolvimento”, afirmou.

Quem deve entrar na disputa

Diretório estadual

Zé Inácio – com apoio de Raimundo Monteiro

Augusto Lobato – com apoio de Zé Carlos

Diretório municipal de São Luís

Fernando Margalhães [reeleição] – com apoio de Raimundo Monteiro

Honorato Fernandes – com apoio de Zé Carlos

Carlito Reis – independente

Zé Carlos reage e tenta neutralizar investida de Bira do Pindaré no PT

Deputado Zé Carlos

Deputado Zé Carlos

O deputado federal Zé Carlos (PT), reagiu e colocou o seu nome à disposição do Partido dos Trabalhadores para a disputa das eleições em São Luís, depois de o secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação, Bira do Pindaré (PSB), ter intensificado uma movimentação nos bastidores junto à legenda para o pleito de outubro.

Bira é ex-militante do PT, elegeu-se deputado estadual pela sigla em 2010, e trabalha para obter o apoio da sigla nas eleições deste ano. O objetivo é fazer com que o PT indique o candidato a vice-prefeito. Como dispõe de prestígio junto a uma ala do partido, o agora socialista também avalia a possibilidade de retornar à legenda para a disputa do pleito.

Foi o que motivou a reação do deputado federal Zé Carlos. Em entrevista ao blog do jornalista Diego Emir, ele afirmou que o PT deve se colocar na disputa e adiantou que colocará o seu nome à disposição da sigla para as eleições.

“Coloco sim [o nome]. O PT não pode perder o protagonismo dessa discussão, sendo assim, o meu nome estaria à disposição do partido para disputar a Prefeitura de São Luís”, disse.

Bira é secretário de Ciência e Tecnologia

Bira é secretário de Ciência e Tecnologia

Ele rechaçou qualquer aproximação ou acordo firmado entre o Partido dos Trabalhadores e Bira do Pindaré.

“Não tem nenhuma aproximação ainda. Recebi uma ligação do deputado Bira, querendo conversar. E ficamos de conversar em São Luís. O Bira tem um percentual de companheiros de PT que defendem a aliança com ele, assim como tem quem defende aliança com Eliziane [Gama (Rede)] e Edivaldo [Holanda Júnior (PDT)]. Nessa situação, os dois primeiros citados têm procurado, já o prefeito Edivaldo não faz essa procura, parece não ter interesse. O que torna a discussão mais complexa”, completou.

Articulação – Bira do Pindaré começou a movimentar-se com mais intensidade junto nos bastidores pela disputa eleitoral desde o início do ano.

Ele começou a reunir lideranças políticas para discutir a sucessão do prefeito Edivaldo Júnior e se colocou como pré-candidato a prefeito pelo PSB. Na semana passada, foi à Brasília reunir-se com o presidente nacional da sigla, Carlos Siqueira, de quem ouviu a garantia de que o partido terá candidatura própria em São Luís.

Na oportunidade, Siqueira afirmou que a escolha do candidato do PSB na capital deve ocorrer o mais rápido possível.

Bira busca agora apoio do PT para a sua candidatura no PSB. Quer evitar que a sigla forme chapa com o prefeito Edivaldo Júnior.

Precisará, contudo, “dobrar” a corrente petista que mantém resistência ao seu nome.

Em janeiro de 2015, quando assumiu cargo no primeiro escalão do governo Flávio Dino (PCdoB), Bira do Pindaré (PSB) aceitou se submeter a uma imposição do comunista, de que nenhum dos auxiliares do governador poderiam disputar as eleições 2016. Foi o próprio Bira quem optou por revelar o acordo, juntamente com Neto Evangelista (PSDB) – naquela ocasião um dos principais nomes colocados para a sucessão de Edivaldo Holanda Júnior (PDT) -, e reafirmar que não se lançaria candidato. Agora, contudo, o socialista mudou de postura.

Novos ares para cinco deputados

Deputada Eliziane Gama

Deputada Eliziane Gama

Os deputados estaduais Zé Carlos da Caixa (PT), Rubens Pereira Júnior (PCdoB), Eliziane Gama (PPS), André Fufuca (PEN) e Victor Mendes (PV) serão diplomados deputados federais no fim desta semana, pelo Tribunal Regional Eleitoral. Os cinco parlamentares vão encarar novos desafios em Brasília, após dois mandatos como deputados estaduais.

Coincidentemente, Pereira Júnior, Mendes e Eliziane chegaram juntos ao parlamento estadual, em 2006. Zé Carlos da Caixa, por sua vez, está no primeiro mandato de deputado, garantindo a eleição de federal na primeira disputa, bem como André Fufuca.

Deputado Zé Carlos

Deputado Zé Carlos

Pereira Júnior e Mendes chegaram ao Parlamento na esteira da boa trajetória política dos pais, os ex­deputados Rubens Pereira e Filuca Mendes, respectivamente. Eliziane, por sua vez, chegou à Assembleia como representante da igreja Assembleia de Deus, elegendo­se na primeira disputa e fazendo carreira meteórica. Reelegeu­se em 2010 e teve excepcional desempenho nas eleições municipais de 2012, o que a credenciou a voos mais altos. Este ano, foi a deputada mais votada do Maranhão e é a favorita na disputa pela Prefeitura de São Luís.

Rubens Pereira Júnior

Rubens Pereira Júnior

Junto com os cinco deputados estaduais, o vereador Sérgio Frota (PSDB) também muda de patamar político a partir de fevereiro. Ele foi o único vereador de São Luís eleito para a Assembleia com a força de ter sido o mais votado deputado estadual na capital maranhense, superando figurões como Edivaldo Holanda (PTC), pai do prefeito homônimo, e Gardeninha Castelo (PSDB), filha do ex­prefeito João Castelo (PSDB).

Comandante do Sampaio Corrêa, que fez boa campanha na Série B do Campeonato Brasileiro, Frota chega à Assembleia com cacife para polarizar um projeto eleitoral em 2016, embora se mantenha ainda distante do tema. De uma forma ou de outra, são atores políticos que mudam de patamar em 2015.

Da coluna Estado Maior, com edição do blog

Zé Carlos precisa se realinhar na Assembleia

Zé Carlos precisa se realinhar na Assembleia

Zé Carlos precisa se realinhar na Assembleia

O deputado Zé Carlos da Caixa terá de fazer um esforço para se realinhar ao grupo majoritário do PT no Maranhão. Influenciado pelo seu candidato a presidente da legenda, Henrique Souza – contrário à eleição PT/PMDB – ele acabou se indispondo com ex-companheiros e com o Governo. Consequência: o parlamentar não sabe se é oposição ou governo na Assembleia Legislativa.

Da coluna Estado Maior, de O Estado

O vazio no PT e o desgaste de Zé Carlos

Zé Carlos se opôs a Washington

Zé Carlos se opôs a Washington

O jornalista Jorge Aragão levantou interessante tema hoje no blog [leia aqui], ao tratar da atual situação do Partido dos Trabalhadores (PT) no Maranhão.

Jorge lembrou que a legenda perdeu somente este ano, três de seus principais nomes no estado, o que inevitavelmente fez com que o partido perdesse representatividade política e ideológica.

Deixaram o PT o deputado federal Domingos Dutra, que agora milita no Solidariedade (SDD); o deputado estadual Bira do Pindaré, que migrou para o PSB e o vice-governador Washington Oliveira, agora conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

O vazio que os três deixam na legenda surge como oportunidade de ser preenchido por novos quadros, que também inegavelmente dispõem de forte representatividade. A exemplo disso, o próprio jornalista citou o presidente Raimundo Monteiro e o deputado estadual Zé Carlos.

Quero referir-me neste caso, especificamente ao parlamentar Zé Carlos, que pelo menos num primeiro momento não conseguiu vislumbrar essa condição e passou a jogar contra o grupo liderado por Monteiro, Washington e companhia.

Zé Carlos foi inúmeras vezes à tribuna da Assembleia pressionar o Governo e a própria Casa a dar celeridade ao processo de escolha de novo membro do TCE, quando todos sabiam que e aguardavam apenas o fim do PED, como havia decidido o grupo político a qual ele pertence. Nem mesmo a oposição questionava – àquela altura -, a não realização da eleição no plenário.

Zé Carlos deixou bem claro a sua insatisfação em relação a ida de Washington para o TCE, quando no dia da sabatina e posterior eleição, foi convidado por Roberto Costa [reveja aqui] a compor a mesa que arguia o petista e negou, o que provocou constrangimento ao até então companheiro Washington.

 Ele também deixou o plenário da Assembleia antes do início da votação que elegeu Washington, atitude talvez mal pensada e muito comentada nos bastidores da Casa. Com isso, Zé Carlos pode no mínimo ter perdido a confiança de alguns atores importantes da política.

Fatos que evidenciam o desgaste do parlamentar dentro e fora do PT, e o inevitável enfraquecimento de seu nome como uma das lideranças de um grupo que disputará a reeleição em 2014. Apenas isso…

Zé Carlos parece insatisfeito com eleição de Washington para o TCE

Zé Carlos sequer participou de votação

Zé Carlos sequer participou de votação

O deputado estadual Zé Carlos (PT), uma das principais figuras do Partido dos Trabalhadores no estado, não conseguiu esconder a insatisfação com a escolha de Washington Oliveira para o Tribunal de Contas do Estado (TCE) do Maranhão.

Na quinta-feira, quando Washington era sabatinado pela comissão especial que analisava o seu registro de candidatura na Sala das Comissões da Assembleia Legislativa, Zé Carlos compareceu no local para acompanhar os trabalhos do colegiado.

Visivelmente constrangido com a cena, ele foi o único dos parlamentares presentes, que se recusou a sentar na mesa a qual Washington era arguido. Foi convidado pelo menos umas duas vezes pelo deputado Roberto Costa (PMDB) para fazer parte do colegiado, mas se recusou e deixou a sala antes do fim dos trabalhos.

Logo em seguida, ao saber que a votação seria de fato realizada em plenário, Zé Carlos se ausentou da Casa e não participou do processo, numa clara demonstração de que estava realmente contrariado quanto a escolha do grupo por Washington. Eu hein.

Caso Gondim vai mesmo à direção nacional do PT como adiantou blog

Zé Carlos é contra filiação de secretário de estado

Zé Carlos é contra filiação de secretário Fábio Gondim

A direção do Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores (PT) em são Luís recorreu à Secretaria Nacional de Organização do PT, em Brasília, da decisão da Executiva Estadual da sigla que vetou a filiação do secretário de estado de Gestão e Previdência, Fábio Gondim.

Exatamente como havia mostrado esse blog [reveja aqui], que ocorreria no caso.

Gondim teve a filiação negada pelo fato de ter entrado no partido no prazo final de filiação para aqueles que pretendem disputar a eleição 2014 e segundo o deputado Zé Carlos, sem seguir os trâmites do regimento da sigla, que determina que a filiação de figuras públicas somente devem ser feitas na executiva estadual e não em diretórios.

O caso agora está com a direção nacional do PT, que dará a palavra final sobre o ingresso ou não de Gondim.

Caso Gondim deve chegar à direção nacional do PT

Zé Carlos é contra filiação de secretário de estado

Zé Carlos é contra filiação de secretário de estado

A crise no PT com a entrada aos 48 do segundo tempo de Fábio Gondim na legenda, deve mesmo parar em Brasília. Isso porque o próprio Gondim e aliados do diretório municipal, não devem desistir do quase novo membro.

Fábio fez o pedido de filiação na semana passada, que foi aceito pelo diretório municipal do partido.

O problema é que a executiva estadual da sigla interveio e recusou a filiação do secretário de estado no Maranhão. O deputado estadual Zé Carlos, membro da executiva, explicou ao blog que dois fatores vão de encontro aos interesses de Gondim.

Primeiro: ele não teria se filiado dentro do prazo determinado pela Justiça Eleitoral – que é dia 5 de outubro. Segundo: de acordo com o regimento interno da legenda, filiação de pessoas públicas no PT só devem ocorrer na executiva estadual, e não em diretórios.

“De acordo com a legislação eleitoral, o Fábio Gondim deveria estar filiado no partido até o dia 5 de outubro, e filiação não é entregar uma ficha. No PT, a filiação de um membro público, como é o caso, dar-se-á na Executiva Estadual, o que ainda não aconteceu. Por isso, a Executiva Estadual decidiu anular todos os pedidos de filiações que não tenham sido homologadas pelo partido até o dia 5, conforme prevê seu regimento”, explicou Zé Carlos.

Gondim, no entanto, não desistirá da ideia de disputar eleição para a Câmara Federal em 2014. E ele conta com apoio de governistas, como é o caso do vice-governador Washington Luiz.

Nos bastidores, a informação é de que o secretário deve recorrer à instância nacional, que decidirá pela filiação ou não do novo membro. Mas, membros da Executiva, segundo Zé Carlos, não apostam na intervenção. “Esse tipo de coisa nunca ocorreu no PT. Não acredito que haverá uma intervenção da direção nacional do partido” disse.

Essa história está longe do fim…

Aprovada na Assembleia Lei da Ficha Limpa para cargos no serviço público

Zé Carlos é autor do projeto

Zé Carlos é autor do projeto

A Assembleia Legislativa aprovou na manhã de hoje, em segundo turno, o Projeto de Lei nº 142/2011 [Ficha Limpa] de autoria do deputado estadual Zé Carlos (PT), que trata sobre a regulamentação para as nomeações em cargos de comissão em órgãos do Poder Executivo e Legislativo no Estado. O projeto será encaminhado para avaliação da governadora Roseana Sarney (PMDB), que deverá sancioná-lo.

Caso seja aprovada, a Lei impede que qualquer pessoa com condenação transitada em julgado ou por colegiado assuma os chamados cargos de confiança.

A aprovação do projeto, que tramita na Casa desde 2011 é também reflexo das manifestações populares que ocorrem há duas semanas em São Luís. Protestos estes que infelizmente perderam força por causa de manobras partidárias.

Este sim é um projeto que vale ser comemorado.